Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Crime contra Administração Pública

Polícia Federal faz operação para combater fraudes na compra de medicamentos em municípios do Litoral Sul

A investigação foi iniciada a partir da instauração de inquérito policial há quatro meses, após a Polícia Federal tomar conhecimento do resultado de auditoria realizada pela Controladoria Geral da União

Publicado em: 19/12/2018 11:17 | Atualizado em: 19/12/2018 19:03

Foto: Arquivo/Agência Brasil
Na manhã desta quarta-feira (19), a Polícia Federal, em parceria com a Controladoria Geral da União-CGU, Agência Pernambucana de Vigilância Sanitária (Apevisa) e Receita Federal do Brasil (RFB),  desencadeou a “Operação Deadline”, que visa apurar suspeita de crimes contra a administração pública relacionados a contratos de fornecimento de medicamentos a municípios situados no litoral sul do estado de Pernambuco.

A investigação foi iniciada a partir da instauração de inquérito policial há quatro meses, após a Polícia Federal tomar conhecimento do resultado de auditoria realizada pela Controladoria Geral da União-CGU, que constatou irregularidades em licitações e na execução de contratos que contavam com aporte de recursos federais do Sistema Único de Saúde. 

Segundo a PF, uma distribuidora de medicamentos sediada no Recife é fornecedora dos três municípios investigados há pelo menos cinco anos. Documentos fiscais expedidos pela empresa referentes a vendas para esses municípios continham inconsistências que levantaram suspeitas de prática de desvios de recursos públicos ou fornecimento de mercadoria em condições impróprias para consumo, o que configuraria crime contra as relações de consumo.

Os contratos firmados durante os exercícios de 2013 a 2018 entre as empresas e os três municípios sob investigação somaram mais de R$ 12 milhões. Para o cumprimento de mandados de busca e apreensão em sete endereços, foram alocados cerca de 60 policiais, auditores e técnicos dos órgãos participantes.

Os crimes que estão sendo investigados são peculato, crime contra as relações de consumo e os previstos na lei de licitações, cujas penas podem chegar a 17 anos de reclusão. Coletiva de imprensa será às 14h na sede da Polícia Federal onde serão dados maiores detalhes sobre as investigações.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Doença da urina preta: síndrome rara pode levar à UTI
Resumo da semana: toque de recolher em PE, suspeitas de síndrome rara  e vacina aprovada
Atividades não essenciais proibidas em Pernambuco todo das 22h às 5h
Unicap inova em plena pandemia e transforma centros acadêmicos em escolas
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco