Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Local
Mobilidade Faixa segura protege motociclistas e ciclistas em Olinda

Por: Anamaria Nascimento

Publicado em: 06/01/2017 16:02 Atualizado em: 06/01/2017 16:30

Faixa na Avenida Carlos de Lima Cavalcanti, em Olinda. Foto: Ricardo Fernandes/DP (Faixa na Avenida Carlos de Lima Cavalcanti, em Olinda. Foto: Ricardo Fernandes/DP)
Faixa na Avenida Carlos de Lima Cavalcanti, em Olinda. Foto: Ricardo Fernandes/DP
O sinal fecha. Os motociclistas olham um desenho semelhante aos veículos que pilotam num espaço em frente aos carros. Saem de onde estavam parados e acomodam os veículos no local com a pintura. Às vezes, um carro ignora a sinalização horizontal e para sobre ela. Essa movimentação se repete sempre que um semáforo das avenidas Governador Carlos de Lima Cavalcanti, Getulio Vargas, José Augusto Moreira ou Presidente Kennedy. O desenho do espaço varia de acordo com a via. Na Kennedy, chega a  2,5 metro de largura. Desde novembro, 42 faixas seguras - espaços exclusivos para motos e bicicletas entre a faixa de pedestres e os carros - foram instaladas em Olinda. Com pouco mais de um mês de funcionamento nas avenidas da cidade, as linhas de retenção ainda causam estranhamento em motoristas, cliclistas e motociclistas.

A sinalização horizontal tem como objetivo proporcionar maior segurança para as motocicletas e ciclistas, diminuindo o conflito com autos no momento da largada no verde do semáforo, aumentar o respeito das motos à linha de retenção e à faixa de travessia, dar maior visibilidade às motos junto às travessias de pedestres e diminuir o número de acidentes envolvendo motos, ciclistas e pedestres no cruzamento. A medida educativa ainda não é regulamentada pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), ou seja, não é aplicada multa para quem desrespeitá-la.

“No trânsito, existe uma hierarquia de segurança. O maior (carro e demais veículos) deve cuidar do menor (pedestre). Em São Paulo, onde a experiência existe, já há a comprovação de uma redução sensível no número de acidentes envolvendo motos e pedestres”, enfatizou a diretora de Mobilidade Urbana de Olinda, Karla Leite. Em Olinda, a primeira avenida a receber a intervenção foi a Presidente Kennedy, um dos corredores mais movimentados da cidade. Depois, as faixas foram pintadas nas avenidas Governador Carlos de Lima Cavalcanti; José Augusto Moreira Getulio Vargas.

Caso a eficácia da ação seja comprovada na cidade, o objetivo da Prefeitura de Olinda é ampliar as faixas seguras para outras vias, como as avenidas Fagundes Varela, em Jardim Atlântico, e Brasil, em Rio Doce. Nas ruas, motoristas, motociclistas e ciclistas ainda estão se adaptando à sinalização. “No trânsito, é difícil ver as motocicletas, que, muitas vezes, passam rápido ao nosso lado. Essa faixa dá uma visibilidade melhor para todos, inclusive para os motoristas”, afirmou o funcionário público José Romero Escorel. O motociclista Davyson Pereira, 26 reclamou que os motoristas ainda não respeitam o espaço. “Acho, na verdade, que muitos não perceberam a sinalização por ser algo novo”, disse.

Em São Paulo, primeira cidade do país a criar espaços exclusivos para motos e bicicletas no trânsito, esse tipo de sinalização já existe desde 2013. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) da capital paulista, faz uma avaliação positiva da faixa.

Faixa Segura:

Como funciona…


  • É uma sinalização horizontal que delimita uma área exclusiva de espera para motos e bicicletas
  • Tem o objetivo de criar uma área de acomodação mais segura para os veículos sobre duas rodas, ao pararem para aguardar a abertura do sinal de trânsito
  • A sinalização está localizada entre a faixa de pedestres e os automóveis e demais veículos parados no semáforo
  • Em São Paulo, esse tipo de sinalização existe desde abril de 2013. Em Olinda, existe desde novembro de 2016. Ainda não existe no Recife
  • Em Olinda, os locais para implantação da faixa foram escolhidos em função do volume de veículos que passam pelas vias

Objetivos…


  • Diminuir conflitos veiculares na abertura da fase verde do semáforo
  • Aumentar a visibilidade de motos para os pedestres em travessia, evitando atropelamentos pela aparição súbita de motos entre veículos
  • Oferecer melhor visibilidade aos motociclistas dos pedestres em travessia


Majé Molê: um quilombo urbano na comunidade de Peixinhos
Creche na Ilha de Deus, uma promessa de doze anos
Entenda os riscos da escoliose para saúde
Primeira Pessoa com Bione
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco