Violência Menina de 13 anos desaparecida em Belo Jardim foi estuprada Vítima foi deixada em uma casa abandonada distante cerca de 10 km do município, passou por exames e está recebendo medicação

Por: Patrícia Fonseca - Diario de Pernambuco

Publicado em: 29/12/2015 14:17 Atualizado em: 29/12/2015 19:17

Encontrada com vida uma menina de 13 anos, que estava desaparecida desde o início da tarde de segunda-feira, na cidade de Belo Jardim, Agreste de Pernambuco. A estudante, que não pode ser identificada em cumprimento ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), foi localizada por volta da meia noite de ontem em uma casa abandonada distante cerca de 10 quilômetros do município, em uma localidade conhecida como Vila Taboquinha.

A vítima contou ter sido abordada por dois homens e forçada a entrar em um carro, sendo abusada sexualmente em seguida. Segundo o pai, ela teria reconhecido um dos agressores como um mototaxista da cidade que teria tentado estuprá-la no ano passado. Depois de ser resgatada, a estudante foi levada ao Instituto de Medicina Legal (IML) de Caruaru para a realização de exames sexológicos e em seguida para uma unidade de saúde, a fim de ser medicada.

O pai, de 41 anos, que também não pode ter o nome revelado, disse que o caso está sendo acompanhado agora pela Delegacia de Belo Jardim, que estaria realizando diligências a fim de prender os suspeitos.Ontem, a família iniciou uma campanha pelas redes sociais para localizar a garota, uma vez que a polícia só começaria as buscas 24 horas após o desaparecimento.

A menina saiu da casa da avó, no bairro de São Pedro, por volta das 13h. Cerca de uma hora depois, ela teria telefonado para pai dizendo que havia sido levada por um mototaxista. Chorando, ela pedia para a família encontrá-la. Depois disso, o celular da estudante foi desligado.

O que diz a lei - A Lei nº 11.259 de 30 de dezembro 2005, chamada Lei da Busca Imediata, diz que não é necessário esperar 24 horas para registrar o desaparecimento de uma criança ou adolescente. A família deve procurar imediatamente uma delegacia de Polícia Civil mais próxima de onde a criança ou adolescente foi visto pela última vez para fazer o Boletim de Ocorrência.

Especialistas em segurança garantem que as primeiras horas após o desaparecimento são as mais importantes, pela maior facilidade em identificar testemunhas e obter as mais informações que auxiliem na localização.

De acordo com o art. 208 do ECA (parágrafo segundo), os órgãos de investigação competentes devem também comunicar os Departamentos de Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal, como portos, aeroportos, rodoviária e empresas de transporte interestadual e internacionais, para evitar o deslocamento da criança ou adolescente para fora do estado e do país. A polícia também deve proceder toda investigação possível, impedindo que a ação dos suspeitos ou a retirada da vítima da cidade, estado ou país.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.