Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Últimas
Rodízio Chuva permite melhorias no abastecimento de água da cidade do Brejo da Madre de Deus O intervalo sem abastecimento, a partir de agosto, cai de 28 dias sem água para quatro dias

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 24/07/2017 20:34 Atualizado em: 24/07/2017 20:39

raças às chuvas que caíram nos últimos dias, o reservatório conseguiu acumular 575 mm cúbicos de água e sangrou depois de quatro anos. Foto: Divulgação/Compesa (raças às chuvas que caíram nos últimos dias, o reservatório conseguiu acumular 575 mm cúbicos de água e sangrou depois de quatro anos. Foto: Divulgação/Compesa)
raças às chuvas que caíram nos últimos dias, o reservatório conseguiu acumular 575 mm cúbicos de água e sangrou depois de quatro anos. Foto: Divulgação/Compesa
A cidade de Brejo da Madre de Deus, no Agreste do estado, terá o calendário de abastecimento de água reduzido. Graças às chuvas que caíram nos últimos dias, o reservatório conseguiu acumular 575 mm cúbicos de água e sangrou depois de quatro anos. Com a cheia da barragem Santana II, o rodízio de água passará a ser de quatro dias com água e quatro dias sem, situação melhor do que os 28 dias sem abastecimento antes das chuvas. 

Com esse volume acumulado, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) teve condições de diminuir o rodízio na cidade, que foi dividida em dois  setores de abastecimento, e assegura a distribuição de água até o próximo inverno. Brejo da Madre de Deus foi uma das cidades castigadas pela estiagem prolongada que assolou o Agreste por sete anos consecutivos. A Barragem Santana II chegou a entrar em colapso, em outubro do ano passado, quando o município passou a ser atendido apenas por carros-pipa. Essa situação perdurou até março, mês em que começou a chover na área de influência do reservatório, chegando a acumular 23% da sua capacidade.

"Naquela época, com o volume de 23%, tivemos condições de voltar a operar o sistema e  atender à população pela rede de distribuição", relembra o gerente de Unidade de Negócios da Compesa, Bruno Adelino. Em junho deste ano, a barragem ficou em situação de pré-colapso, chegando a apenas 6% da sua capacidade. "Após esse período, as chuvas passaram a ser regulares e aos poucos o manancial foi aumentando o seu nível de armazenamento e hoje está cheio", comemora Adelino.


Polícia Federal vai usar drones para fiscalizar irregularidades nas eleições
Rhaldney Santos entrevista Dr. João Gabriel Ribeiro, neurocirurgião
Rhaldney Santos entrevista Armando Sérgio (Avante)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #179 - Coração dos vertebrados
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco