Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital

PROCEDIMENTO

Cirurgia por vídeo é primeira opção em casos de urgência no Jayme da Fonte

Publicado em: 13/10/2021 08:03

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação
A videolaparoscopia, conhecida popularmente como “cirurgia por vídeo”, é um procedimento realizado há 31 anos no Brasil. No Hospital Jayme da Fonte, no Recife, a técnica é feita desde 2006 e se tornou a primeira opção de tratamento para casos cirúrgicos de urgência, por ser considerada minimente invasiva e oferecer uma recuperação mais rápida aos pacientes. De acordo com a instituição, apenas este ano, foram realizadas 488 cirurgias por vídeo, com uma média de 54 procedimentos mensais. No ano anterior, a técnica foi realizada 647 vezes.

A Cirurgia de Vídeo Assistida é realizada com câmera e contribui para um detalhamento maior no campo cirúrgico devido aos recursos apresentados, como a melhor nitidez e a possibilidade de aumento da lente. Para a realização do procedimento por vídeo, o paciente precisa tomar anestesia geral. “O cirurgião insere uma cânula no abdômen do paciente e, através dela, insufla gás no abdômen para gerar o espaço necessário para realizar uma cirurgia chamada pneumoperitônio. Com auxílio da câmera e de pinças especiais, todo o procedimento é realizado por pequenas incisões”, explica o cirurgião geral e do aparelho digestivo do hospital, Dr. Omar Jacobina.

A videolaparoscopia é a primeira opção na maioria dos casos cirúrgicos e de urgência no Hospital Jayme da Fonte. É possível realizar qualquer cirurgia por vídeo, sendo uma intervenção cirúrgica simples, como tratamentos de vesícula, apêndice, hérnia, cálculo, até os mais complexos, como a gastrectomia. A cirurgia de obesidade, a gastroplastia, só é realizada por vídeo pela facilidade de se enxergar o campo.

Porém, existem restrições e não são todos os casos que podem ser executados com a técnica. “Os casos precisam ser individualizados e analisados pelo cirurgião antes do procedimento. Se o paciente apresentar aderência em decorrência de outras cirurgias, instabilidade hemodinâmica ou é considerado paciente grave, ele passará pela cirurgia convencional e não por vídeo”, contou. O procedimento também é contraindicado em casos de: massas abdominais volumosas, tumores grandes que precisarão de uma incisão maior, além de pessoas que apresentam problemas cardíacos ou pulmonares. Não há restrições por idade.

Para o cirurgião geral, a videolaparoscopia oferece mais benefícios para o paciente do que a tradicional, por permitir uma recuperação mais rápida, menor risco de infecção, cicatrizes e trauma na parede abdominal, menos custo com medicações, além de menor taxa de hérnia pelas pequenas incisões. “Por exemplo, a cirurgia de obesidade tem fator predisponente para o aparecimento de hérnia e esse percentual pode chegar a quase 50%. Na cirurgia por vídeo, a porcentagem cai para menor de 10%”, ressaltou Dr. Omar.

A recuperação depende do tipo de procedimento realizado. Se a cirurgia do paciente for de hérnia, vesícula ou apêndice, ele recebe alta médica um dia após a cirurgia e deve passar de 10 a 15 dias em repouso em casa. Mas caso a cirurgia seja mais complexa, como a de câncer, o paciente precisa de uma recuperação maior.

O Hospital Jayme da Fonte oferece estrutura elaborada para garantir a segurança do paciente que passará por esse tipo de intervenção cirúrgica. Existem laboratórios dentro do próprio complexo hospitalar para dar suporte caso o paciente necessite realizar exames de imagens e laboratoriais. A equipe trabalha 24h de forma integrada, permitindo que o paciente seja assistido de forma colaborativa.

A videolaparoscopia também é realizada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e aceita por todos os planos de saúde.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Entre túmulos e livros: coveiro se prepara para lançar livro
Cenário de destruição apos tiroteios em Beirute
Manhã na Clube: entrevistas com Simão Teixeira, presidente do Recife Convention & Visitors Bureau
Bolsonaro decidiu não se vacinar contra o coronavírus
Grupo Diario de Pernambuco