Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

MATERNIDADE

PL prevê obrigatoriedade de fisioterapeutas 24 horas em maternidades

Publicado em: 27/04/2022 18:44

 (Foto: Carol - Entre pela Janela)
Foto: Carol - Entre pela Janela
Um projeto de lei, de autoria da deputada federal Rejane Dias (PT-PI), pretende tornar obrigatória a presença de profissionais de fisioterapia nas maternidades nas quais se realizem pelo menos mil partos por ano. O texto em análise na Câmara dos Deputados determina ainda que esses profissionais estejam disponíveis em tempo integral para assistência às pacientes.

“A atuação dos fisioterapeutas é crucial quando associada à redução do tempo de trabalho de parto e das complicações no assoalho pélvico, além da diminuição dos custos hospitalares”, afirmou a autora da proposta, citando a Associação Brasileira de Fisioterapia em Saúde da Mulher.

Para a fisioterapeuta pélvica Brenda Ianca, a presença desse profissional na maternidade, além de auxiliar na diminuição do tempo de trabalho de parto, garante maior segurança às pacientes, implementando técnicas e manobras realizadas por fisioterapeutas.

Além disso, segundo Ianca, o fisioterapeuta auxilia na decisão da mãe em realizar uma episiotomia — procedimento cirúrgico que consiste em um corte na região entre o ânus e a vagina para facilitar a passagem do bebê. Para ela, o procedimento pode, por vezes, ser evitado, caso não seja estritamente necessário. “Na hora do parto, a mãe só quer que a dor passe”, afirma a fisioterapeuta, ao explicar que o profissional pode avaliar se ainda há a possibilidade de mais dilatação.

“O nosso trabalho na hora do parto em específico é para ajudar a mamãe a diminuir a dor. A gente vai usar técnicas de relaxamento. Nós vamos usar técnicas para ajudar esse músculo a se expandir e o bebê passar com mais facilidade, com mais tranquilidade”, explica Brenda.

Atuação e assistência durante 24h por dia
 
O Ministério da Saúde já exige atualmente fisioterapeutas em tempo integral nas unidades de terapia intensiva neonatal, aquelas voltadas para o atendimento hospitalar do recém-nascido grave ou com risco de morte.

No entanto, de acordo com Brenda Ianca, o trabalho do fisioterapeuta é contínuo e começa desde a descoberta da gravidez especialmente a partir das 13 semanas de gestação, quando diminui o risco de aborto espontâneo, ou por recomendação do obstetra.

“A gente prepara a musculatura para receber o bebê. Independentemente se (a) via de parto vai ser vaginal ou cesariana, essa musculatura precisa estar forte para receber o bebê e abriga-lo durante os nove meses. O peso de uma criança se desenvolvendo ali vai apertando os órgãos, o músculo vai ficando fraco. Então, esse músculo tem que estar todo dia sendo reabilitado para que fique forte. Com isso, pode-se evitar possíveis lacerações e até uma uma episiotomia”, diz Ianca, ao garantir que o corte não é necessário.

Brenda avalia o projeto como muito positivo e que deveria existir em todas as maternidades, independentemente da quantidade de partos realizados.

Já o educador físico Luciano Frazão tem algumas críticas ao projeto. Para o profissional, a legislação deveria ser estendida a todos os profissionais que trabalham com o “movimento humano”, o que inclui, além dos médicos e fisioterapeutas, os educadores físicos. Segundo ele, o profissional de educação física também atua na prevenção do fortalecimento do assoalho pélvico, fortalecimento do músculo da barriga e no reposicionamento do corpo.

O projeto tramita em caráter conclusivo, ou seja, não deve ser votado no plenário da Câmara e será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Cada vez mais brasileiros procuram a medicina tradicional chinesa
Grupo Diario de Pernambuco