Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

ELEIÇÕES

Gleisi Hoffmann diz que Lula não vai atender ao 'mimimi do mercado'

Publicado em: 10/01/2022 21:07

 (Foto: NELSON ALMEIDA)
Foto: NELSON ALMEIDA
A presidente do Partido dos Trabalhadores(PT), deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR), afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não fará um “carta ao povo brasileiro”, como ocorreu em 2022, e nem atender ao “mimimi do mercado”.

"Não tem necessidade de carta ao povo brasileiro, as pessoas já conhecem o Lula. Não precisamos mais de um (Antonio) Palocci", disse Gleisi, em entrevista ao jornal O Globo divulgada nesta segunda-feira (10). A presidente do partido faz referência ao documento divulgado ao setor financeiro em 2002, quando Lula foi eleito, e Palocci o escolhido como primeiro ministro da Fazenda do governo petista.

Segundo a deputada, em 2022, a postura será diferente: "A única coisa que não vamos fazer é quebrar contratos, como o Bolsonaro fez com os precatórios. O resto nós vamos fazer. E não tem mimimi do mercado. Um país que não tem dívida externa, que tem este mercado consumidor não pode ter o povo com fome e sem renda”, completou, em referência à polêmica PEC dos Precatórios, que mudou as regras do teto de gastos e deu calote em dívidas judiciais, pedalando quase metade dos R$ 89,1 bilhões que deveriam ser pagos em 2022 para os ano seguintes, a fim de abrir espaço para gastos como, por exemplo, o Auxílio Brasil e as polêmicas emendas do relator, também denominadas como "orçamento secreto".

Propostas
 
A fala da deputada federal vem dias após planos dos petistas para a economia chamarem atenção. Na última terça-feira (04) o ex-presidente Lula elogiou a revisão da reforma trabalhista que está acontecendo na Espanha. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, na manhã desta segunda-feira (10), Gleisi reafirmou que é o partido não está satisfeito com a reforma trabalhista brasileira.

“Somos contra a reforma trabalhista, da forma como foi encaminhada. Quando se deu a discussão no Congresso Nacional, nossas bancadas no Senado e na Câmara votaram contra. Fomos contra o teto de gastos, também quando o processo foi discutido no Congresso”, lembrou a presidente do PT.

Ao O Globo, a presidente da sigla aponta a revogação do teto de gastos como uma das propostas eleitorais do PT. “O teto de gastos está desmoralizado e deve ser um dos primeiros a serem liquidados. Bolsonaro fez o orçamento de guerra e muitas outras coisas fora do teto aos olhos do mercado e agora querem exigir de nós respeito ao teto?”, questionou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Supervacinada: Rafaela inaugura a fase da imunização de crianças contra a Covid no Recife
ONG acusa Bolsonaro de ameaçar a democracia no Brasil
Primeiro lote de vacinas pediátricas chega ao Brasil
Manhã na Clube: entrevista com a psicóloga Renata Sales
Grupo Diario de Pernambuco