Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI

Nise admite aconselhamento a Bolsonaro com discussão de tratamento precoce

Publicado em: 01/06/2021 17:08

Médica defensora da cloroquina afirmou ser apenas "uma colaboradora eventual", ao mesmo tempo em que caiu em contradição ao admitir proximidade com o presidente da República
 (crédito: Leopoldo Silva/Agência Senado
)
Médica defensora da cloroquina afirmou ser apenas "uma colaboradora eventual", ao mesmo tempo em que caiu em contradição ao admitir proximidade com o presidente da República (crédito: Leopoldo Silva/Agência Senado )
Mesmo negando a existência de um gabinete paralelo de assessoramento ao presidente da República, Jair Bolsonaro, a médica Nise Yamaguchi, convidada da sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 desta terça-feira (1), caiu em contradição ao admitir, por outro lado, que esteve presente em ao menos quatro reuniões com o mandatário, a fim de discutir os supostos benefícios de um tratamento precoce a base de medicamentos sem eficácia comprovada para tratar Covid-19.

"Diretamente estivemos conversando com grupos de pessoas com o presidente da República, em torno de quatro, cinco vezes", afirmou Nise, incluindo, neste rol, a reunião pública em que diversos médicos foram reunidos para discutir sobre o tratamento precoce. Ela defendeu, por diversas vezes, a metodologia, incluindo o uso de cloroquina e definiu as posições contrárias como uma "tentativa de destruição de um tratamento que tem salvado vidas e tem sido necessário".

Ao que os senadores da oposição e da própria mesa de liderança da CPI têm definido como "gabinete paralelo" de assessoramento, Nise rejeitou a denominação: "Não é um aconselhamento, é uma interlocução". Ela defendeu, ainda, que o que existe é um "conselho científico independente e voluntário". Queríamos oferecer o conhecimento de uma forma organizada, sem o vínculo oficial". O grupo, que seria de 10 mil médicos, terminou enfraquecido, segundo a médica, porque "houve uma perseguição tão grande da mídia que acabou dissolvendo o grupo".

Além dos grupos de médicos, Nise citou a participação em reuniões do empresário Carlos Wizard e do ex-chefe da Secretaria Especial de Comunicação Social do Governo Federal, Fabio Wajngarten. Segundo ela, Wizard tinha um interesse social na ajuda e que o relacionamento de ambos se limitou à criação de um "conselho consultivo independente", enquanto Wajngarten fazia anotações para auxiliar a Presidência.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco