Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CPI

Médica Luana Araújo diz que, sem vacina, 'imunidade de rebanho é impossível'

Publicado em: 02/06/2021 14:46

 (crédito: Waldemir Barreto/Agência Senado
)
crédito: Waldemir Barreto/Agência Senado
Em depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, nesta quarta-feira (2), a infectologista Luana Araújo, que ficou 10 dias no Ministério da Saúde, afirmou que “uma imunidade de rebanho natural dentro da Sars-Cov-2 e da Covid-19 é impossível de ser atingida”. “Não é uma estratégia inteligente”, disse. De acordo com a médica, é possível fazer isso com a vacinação, porque consegue-se “induzir uma resposta ao mesmo tempo e muito mais sólida do que infecção natural, e num período de tempo mais curto”.

“Então, você consegue mobilizar aquelas pessoas e o sistema imunológico delas ao mesmo tempo e de forma mais clara. A gente atinge a imunidade de rebanho com vacina sem sofrimento. Eu não posso imputar sofrimento e morte a uma população simplesmente pensando em atingir uma imunidade de rebanho. Para mim, é muito estranho que a gente discuta esse tipo de coisa”, afirmou.

O depoimento de Luana foi antecipado pelo presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), com mudança feita na noite da última segunda-feira (31). Muitos parlamentares souberam da alteração na manhã de terça-feira (1º), o que gerou críticas dos senadores da base. A intenção, com o depoimento da infectologista, é mostrar uma ingerência política no Ministério da Saúde, como dito na última terça por Aziz ao Correio.

Em sua oitiva, a médica infectologista está fazendo uma defesa da ciência e criticando o fato de ainda existir no Brasil discussões sobre medicamentos ineficazes contra a covid-19, como a cloroquina e hidroxicloroquina, e incentivos ao chamado “tratamento precoce”, que não existe no caso da doença. O que existe, como ressaltado por ela, é um acompanhamento inicial.

O depoimento vai na contramão do que foi dito na terça-feira pela médica Nise Yamaguchi, que incentiva durante toda a pandemia o uso desses medicamentos e diz ter sido uma “consultora eventual” do governo.

Copa América
 
Questionada sobre a realização da Copa América no Brasil, anunciada pelo governo federal, Luana afirmou que “o uso de protocolos rígidos ameniza riscos, mas não os anula”. “Acho que quando a gente toma uma decisão como essa tem que pesar prós e contras. Eu não acho que esse é o momento oportuno para esse tipo de evento. Se algum gestor me perguntasse a minha opinião nesse sentido seria essa: é possível usar protocolos que amenizem as circunstância, mas é um risco desnecessário de correr nesse momento”, disse.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco