Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

PANDEMIA

Recusa de vacinas do Butantan pelo governo federal marca 4ª semana da CPI

Publicado em: 28/05/2021 21:56 | Atualizado em: 28/05/2021 22:58

 (Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Durante a 4ª semana da CPI da Covid-19 foram ouvidos mais dois nomes importantes. Primeira a depor, a secretária de Gestão de Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro, a “capitã cloroquina”, permaneceu com posicionamentos alinhado ao governo Bolsonaro, mas apresentou informações que colocaram em xeque falas do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello. Já o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, além de um discurso técnico, revelou a falta de interesse do governo federal pelas 60 milhões de doses da Coronavac oferecidas no ano passado.

Em um cenário de calamidade, onde o país já ultrapassou mais de 450 mil mortes pela Covid-19, Dimas Covas, em seu depoimento, nesta quinta-feira, revelou informações que atestam a falta de comprometimento do governo federal na obtenção de vacinas para os brasileiros e brasileiras. Adotando um discurso “técnico”, como avalia o cientista político Bhreno Vieira, Covas esclareceu pontos considerados importantes para o desenrolar da Comissão. 

O processo de obtenção da vacina Coronavac pelo Ministério da Saúde(MS) foi um dos principais pontos abordados.  De acordo com o diretor do Instituto Butantan, a falta de interesse do presidente Bolsonaro impediu que o Brasil fosse o primeiro país do mundo a iniciar as vacinações, visto que, segundo declarações do depoente, o governo federal  não demonstrou interesse pelo recebimento de 60 milhões de vacinas Coronavac (com entrega até dezembro de 2020),  oferecidas em 30 de julho e 18 de agosto de 2020 pelo Instituto ao MS. 

Além disso, comprometendo relações diplomáticas com a China e apelando para uma disputa político-ideológica com o governo Doria, em algumas oportunidades Bolsonaro chegou a chamar as vacinas Coronavac de  “vachina”. “ Então, obviamente, isso se reflete nas dificuldades burocráticas, que eram normalmente resolvidas em 15 dias e, hoje, demoram mais de mês para serem resolvidas.”, afirmou Covas sobre os entraves gerados com o país asiático. O contrato de fornecimento dos imunizantes só foram assinados pelo governo federal em janeiro de 2021.  

Na oportunidade, o relator da CPI, Renan Calheiros,  chegou a reproduzir um vídeo em que o presidente Jair Bolsonaro demonstra o não interesse pela vacina. “Ninguém vai tomar tua vacina na marra, não, tá okay? Procura outro. Eu que sou governo, o dinheiro não é meu, é do povo, não vai comprar tua vacina também. Procura outro para pagar por sua vacina aí”, disse Bolsonaro em recado ao seu rival político e governador de São Paulo, João Doria (PSDB).
Analisando as falas apresentadas por Covas, o cientista político Rodolfo Marques diz que “foi um depoimento muito mais assertivo [...] Ele (Covas) trouxe muito mais informações relevantes, dados, menos opiniões, conseguiu avançar no debate temático em relação ao enfrentamento da pandemia, enquanto que o depoimento da Mayra foi mais alinhado ao governo, que é caracterizado pela desinformação”.

Primeira depoente na 4ª semana da CPI da Covid-19, Mayra Pinheiro apresentou informações que reafirmaram seu alinhamento ao governo federal, como a defesa do tratamento precoce (procedimento que não possui aval científico), mas também repercutiu algumas contradições que, de acordo com o cientista político Rodolfo Marques, “podem enfraquecê-la”. 

Durante seu depoimento, Mayra expôs informações que se chocaram com outras apresentadas anteriormente pelo ex-ministro Eduardo Pazuello, como o colapso de oxigênio em Manaus e o aplicativo TrateCOV. Pazuello havia informado anteriormente que soube do agravo da situação em Manaus no dia 10 de janeiro, informação rebatida por Mayra que informou a data oito de janeiro.

Outro assunto polêmico diz respeito ao TrateCOV.  Em oitiva, o ex-ministro Eduardo Pazuello direcionou à Mayra a responsabilidade pela criação da plataforma. A secretária negou a versão e, em um primeiro momento, concordou com a tese do “hackeamento” do aplicativo, mas voltou atrás e dizendo que se tratou de uma “extração indevida de dados”. 

Expondo informações divergentes, mas também alinhadas com o governo federal, Bhreno Vieira diz que a atuação de Mayra, bem como dos demais nomes aliados ao presidente Bolsonaro, dialoga com um fenômeno conhecido no meio acadêmico por "banalidade do mal”. “É quando você se nega a pensar em um bem comum, banaliza determinadas ações em torno de uma estrutura ideológica, uma estrutura de poder”. 

TAGS: cpi | pandemia | covid-19 | mayra | covas |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Diabetes: saiba como evitar e controlar antes que seja tarde
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco