Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

AMAZÔNIA

Pela primeira vez como presidente, Bolsonaro vai a terras indígenas

Publicado em: 28/05/2021 17:24

Bolsonaro visitou território Yanomami apesar de críticas dos indígenas às ações do governo federal que vêm ajudando a liberar áreas protegidas
 (foto: Marcos Corrêa/PR
)
Bolsonaro visitou território Yanomami apesar de críticas dos indígenas às ações do governo federal que vêm ajudando a liberar áreas protegidas (foto: Marcos Corrêa/PR )
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) visitou nessa quinta-feira (27), pela primeira vez como chefe do Executivo federal, duas terras indígenas na Amazônia. O presidente insistiu na visita apesar de críticas dos nativos às ações do governo que vêm ajudando a liberar áreas protegidas para grileiros.
 
Antes da visita presidencial, os  caciques, tuxauas, líderes e gestores das associações Yanomami do Rio Cauaburis e Afluentes (AYRCA) e das Mulheres Yanomami Kumayama (AMY) divulgaram carta de repúdio à ida de Bolsonaro a suas terras. 

Para eles, o objetivo da primeira visita do presidente a uma terra indígena visa somente a tratar e tentar acordar “a legalização de mineração no território Yanomami”. “Essa não é a nossa ansiedade yanomami”, afirmam.

Ao chegar ao local, Bolsonaro encontrou um clima amigável. O presidente chegou a colocar um cocar na cabeça, assistiu a um ritual da comunidade na Terra Indígena Balaio e inaugurou uma ponte.

O presidente, que chegou à comunidade usando máscara, não retirou o equipamento de proteção durante a visita. 

Construída pelo exército brasileiro, a ponte é chamada de Rodrigo Cibele e é passagem para o território Yanomami, alvo de invasões de garimpeiros ilegais. A ponte tem 18 metros de extensão.

Bolsonaro passou a noite em um posto de fronteira militar em Maturacá, extremo Oeste da Terra Yanomami, a maior do país. A área foi invadida por mais de 20 mil garimpeiros ilegais.

A visita do presidente ocorreu um dia após garimpeiros que exploravam ilegalmente terras dos indígenas munduruku no Alto Tapajós, no Pará, dispararem contra uma comunidade e incendiarem a casa de uma liderança.

Em 29 de abril, em sua live semanal, Bolsonaro defendeu a mineração em reservas indígenas, afirmando que esses 14% do território brasileiro têm um grande potencial.

Na ocasião, anunciou a intenção de ir até unidades do Pelotão de Fronteira do Exército (PEF), para "dar uma olhada na região e oficializar alguma coisa".

Segundo a Convenção 169 da Organização Mundial do Trabalho (OIT), a comunidade deveria ser previamente consultada e deveria haver um consenso entre os líderes. Essa também é uma tradição dos indígenas.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco