Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

CRISE

'Não foi algo positivo', diz Marco Aurélio sobre demissões nas Forças Armadas

Publicado em: 05/04/2021 16:38

 ( Magistrado destacou que o presidente pode demitir qualquer ministro de Estado, mas que a troca nos comandos não contribui para a estabilidade do Brasil. Foto: José Cruz/Agência Brasil)
Magistrado destacou que o presidente pode demitir qualquer ministro de Estado, mas que a troca nos comandos não contribui para a estabilidade do Brasil. Foto: José Cruz/Agência Brasil
O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), criticou, nesta segunda-feira (05), a demissão dos comandantes das Forças Armadas pelo presidente Jair Bolsonaro. O magistrado afirmou que a crise que envolve o governo e os militares não contribui para a estabilidade do país. O magistrado também criticou o comportamento do presidente Jair Bolsonaro durante a pandemia de Covid-19.

De acordo com o magistrado, o presidente pode demitir qualquer um de seus ministros de Estado que ocupam as pastas na Esplanada. No entanto, a decisão de trocar os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica gera problemas. "Não foi algo positivo ao meu ver em termos de estabilidade e segurança jurídica. Agora só posso torcer para que o presidente tenha acertado nas novas indicações", disse ele, em entrevista à CNN Brasil.

Marco Aurélio afirmou ser contra a decisão do ministro Kássio Nunes que autorizou a abertura de igrejas mesmo em meio a pandemia. Ele se disse surpreso com o despacho do "ministro mais novo", em referência a Nunes. Ele defendeu que o caso seja tratado em plenário, como deve ocorrer na próxima quarta-feira (07).

O integrante do Supremo também destacou que "o Supremo não governa o país" e disse que o exemplo no combate ao novo coronavírus "deve vir do poder central", que é o Poder Executivo. "É preciso que a ficha do braseiro caia antes da perda de alguém da sua família", disse ele sobre o aumento de mortes e casos de Covid-19. Ele destacou que o Judiciário atua, inclusive em relação ao comportamento do presidente, "se for provocado".

"Podemos cassar ato do presidente da República, do Congresso Nacional. Então é incrível o poder do Supremo. Que ele atue com vista a lei das leis que é a Constituição Federal. A partir do momento em que se distancia o Supremo da Constituição, vamos acreditar em que? A quem vamos recorrer? Eu reafirmo, o Supremo é a última trincheira da cidadania", disse.
TAGS: stf | pandemia | aurélio | marco |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Posse e compra de armas de fogo geram polêmica entre autoridades e população
Liberdade de imprensa piora no Brasil de Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 20/04
Metade da população adulta nos EUA já tomou ao menos uma dose de vacina contra Covid
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco