Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

MOBILIZAÇÃO NACIONAL

'Não há nenhuma espécie de golpe', diz Major Vitor Hugo, líder do PSL na Câmara

Publicado em: 30/03/2021 15:27 | Atualizado em: 30/03/2021 15:45

 (Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil )
Foto: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Líder do PSL na Câmara, deputado Major Vitor Hugo garante que o Projeto de Lei 1074/2021, que permitiria ao presidente acionar a mobilização nacional, não faz parte de "um golpe". O PL, de sua autoria, prevê que o chefe do Executivo poderá utilizar a mobilização nacional durante uma crise de saúde pública internacional causada por pandemia ou situação de catástrofe natural.

Esse instrumento está previsto nos artigos 22 e 84 da Constituição Federal e dá autonomia ao presidente da República na gestão de recursos humanos, materiais e financeiros do Estado em caso de uma agressão estrangeira — ou seja, uma situação de guerra. A lei que cria o Sistema Nacional de Mobilização (SINAMOB) foi sancionada pelo então presidente Lula, em 2007.

O parlamentar propôs, em reunião do Colégio de Líderes nesta terça-feira (30), a votação de um requerimento de urgência apresentado por ele na segunda (29). Se aprovado, o requerimento permitiria apreciar o PL. O requerimento já foi assinado por Hugo Motta (Republicanos-PB), líder da maioria — bancada que tem 355 dos 513 deputados federais.

Faltou, no entanto, consenso para pautar o requerimento esta semana. Apesar disso, parlamentares indicam que o PL já tem apoio suficiente para ser votado a partir da próxima semana. Ao Correio, o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) revelou que seus colegas de bancada garantem que o texto não será apreciado esta semana. Ele se mostrou preocupado, contudo, com os efeitos da possível aprovação.

"Eu acho que é coincidência demais para ser apenas coincidência", disse, ao se referir à troca no comando das Forças Armadas a pedido de Jair Bolsonaro. No Twitter, Kataguiri chegou a falar sobre a possibilidade de um golpe em curso. Vale lembrar que o golpe militar de 1964 completará 57 anos nesta quarta-feira (31). Além das modificações nas Forças Armadas, Bolsonaro também trocou o comando do Ministério da Defesa, em busca de alguém que seja mais alinhado com seus princípios.

A reportagem conversou com o deputado Major Vitor Hugo, que justificou que o requerimento para votar o PL 1074 foi apresentado na última segunda-feira, antes da renúncia coletiva no comando das Forças Armadas. "Eu apresentei o requerimento ontem, não tinha como saber que os comandantes das Forças Armadas iam sair", disse.

Ele revelou que, na reunião do Colégio de Líderes, teve pouco tempo para explicar o projeto e acreditou que o texto seria bem recebido por seus colegas. "Eu imaginei que, em se tratando de uma lei que já existe desde o governo do Lula, haveria o entendimento de que o esforço é para salvar vidas. Não tem a ver com nenhum ato antidemocrático", disse.

Tempo hábil
Esta foi a primeira vez que o deputado falou sobre o projeto na Câmara. Sendo assim, justificou, não houve tempo hábil para conversar com líderes de outras bancadas sobre o assunto. Ele também rebateu as afirmações do deputado Kim Kataguiri e ressaltou que o presidente só poderia utilizar a mobilização nacional com aval do Congresso.

"O deputado Kim Kataguiri nem estava na reunião. Ele certamente não leu o projeto. Com esse projeto, nada seria feito sem o aval do Congresso. Não há nenhuma espécie de golpe. O congresso avaliaria o pedido do presidente. Nenhum direito individual seria afetado", disse.

Ele afirmou, ainda, que pretende conversar com líderes para tentar votar o projeto em breve. Na sua opinião, é importante garantir que recursos sejam utilizados pelo Poder Executivo em caso de crise.

"Se faltar kit intubação, o presidente poderia solicitar ao Congresso a autorização para que fábricas no Brasil que produzem substâncias semelhantes mudem sua linha de produção para aquilo que está faltando", justificou. E continuou: "se faltar recursos, as pessoas vão dar importância para esse projeto".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco