Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

GOLPE MILITAR

General Mourão comemora golpe militar de 1964 em postagem no Twitter

Publicado em: 31/03/2021 14:22 | Atualizado em: 31/03/2021 14:24

 (Vice-presidente celebrou, na rede social, o início dos 21 anos de ditadura militar no Brasil. No período, o governo institucionalizou a tortura e o assassinato de dissidentes políticos. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Vice-presidente celebrou, na rede social, o início dos 21 anos de ditadura militar no Brasil. No período, o governo institucionalizou a tortura e o assassinato de dissidentes políticos. Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Após a divulgação da nota do ministro da Defesa, general Walter Braga Neto, fazendo apologia ao golpe militar de 1964, que resultou em 21 anos de ditadura, com institucionalização da tortura e desaparecidos políticos, foi a vez do vice-presidente, general Hamilton Mourão, se manifestar a favor de um dos períodos tenebrosos da história do país.

Em seu perfil no Twitter, Mourão afirmou, nesta quarta-feira (31), que, há exatos 57 anos, a população e as Forças Armadas impediam o avanço do comunismo no Brasil, contrariando os livros de História e as pesquisas da época, que apontam que a influência da União Soviética no Brasil era inócua.

“Neste dia, há 57 anos, a população brasileira, com apoio das Forças Armadas, impediu que o Movimento Comunista Internacional fincasse suas tenazes no Brasil. Força e Honra!”, postou o general.



Na nota de Braga Neto, divulgada na terça-feira, no site do Ministério da Defesa, o ministro chegou a fazer alusão à Lei da Anistia, que perdoou a parte da população que insurgiu contra a ditadura militar, mas também aos responsáveis pela tortura e assassinato de presos políticos com aval do Estado.

No texto intitulado “Ordem do Dia Alusiva ao 31 de março de 1964", o general argumenta que os eventos “só podem ser compreendidos a partir do contexto da época”. Também insiste no argumento do avanço do comunismo no Brasil.

O general encerra o texto afirmando que “o cenário geopolítico atual apresenta novos desafios, como questões ambientais, ameaças cibernéticas, segurança alimentar e pandemias”. “As Forças Armadas estão presentes, na linha de frente, protegendo a população”, escreveu. “O movimento de 1964 é parte da trajetória histórica do Brasil. Assim devem ser compreendidos e celebrados os acontecimentos daquele 31 de março”, encerrou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco