Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

PLANALTO

Antes de demissão, Bolsonaro silenciou sobre pedido de impeachment de Ernesto Araújo

Publicado em: 29/03/2021 15:26 | Atualizado em: 29/03/2021 16:22

 (Foto: Evaristo Sá/AFP )
Foto: Evaristo Sá/AFP
O presidente Jair Bolsonaro preferiu adotar o silêncio durante evento na manhã desta segunda-feira (29), quando assinou a MP que moderniza o ambiente de negócios no país. O mandatário costuma discursar nas solenidades ocorridas no Palácio do Planalto, no entanto, preferiu não falar nada e subir diretamente para seu gabinete, poucas horas antes do pedido de demissão do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. O silêncio foi registrado justamente em meio à ameaça de pedido de impeachment de Araújo por parte de de senadores.

Discursaram apenas o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Carlos da Costa, e o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni. O único ato de Bolsonaro na solenidade foi a assinatura da MP.

Desde a semana passada, Bolsonaro vinha sendo aconselhado pelo Congresso a mudar o comando do Palácio do Itamaraty. Não é de hoje que deputados e senadores criticam o trabalho de Ernesto, mas nos últimos dias a situação ficou insustentável. Diversos parlamentares subiram o tom contra o chanceler, sobretudo por conta da demora do governo federal a firmar acordos com fabricantes de vacinas contra a Covid-19. Para os congressistas, o ministro foi o principal responsável por atrapalhar a assinatura dos contratos, sobretudo por conta da forma que ele conduz a política externa brasileira.

Na semana passada, ao participar de uma audiência no Senado, Ernesto foi duramente criticado e ouviu de diferentes senadores o pedido para que saísse do Itamaraty. Nenhum líder do governo tomou a palavra para defender o chanceler. Além disso, o presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), cobrou pessoalmente a Bolsonaro uma mudança no comando do Ministério das Relações Exteriores.

No domingo (28), Ernesto estremeceu a relação com o Congresso ao insinuar que a senadora Kátia Abreu (PP-TO) estava fazendo lobby pelo 5G e que ela nunca o criticou por conta de eventuais falhas para garantir vacinas contra o novo coronavírus ao Brasil. Em contrapartida, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) prometeu protocolar o um pedido de impeachment contra Ernesto na Câmara.

MP
Segundo o Ministério da Economia, a MP do Ambiente de Negócios implementa mudanças como a simplificação na abertura de empresas, a proteção aos investidores minoritários e a facilitação no comércio exterior de bens e serviços. O impacto econômico esperado no longo prazo pode varia de 4,3% do PIB, com R$ 3,5 bilhões de entrada de capital estrangeiro direto anual, chegando até a marca de 8,6% de crescimento e R$ 10 bilhões em investimentos. A medida tem ainda o potencial de elevar de "18 a 20 posições" a colocação do Brasil no ranking Doing Business, do Banco Mundial, que mede a facilidade de fazer negócios em diferentes nações. O Brasil está hoje na 124ª posição de 191 países.

“A medida provisória tem como principais objetivos acelerar a recuperação econômica a partir de um melhor ambiente para se fazer negócios, atrair investimento estrangeiro e ajudar o Brasil a melhorar sua posição no ranking Doing Business”, diz a pasta.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Em Cúpula do Clima, Bolsonaro promete neutralidade de carbono até 2050
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 22/04
Após polêmicas, Superliga Europeia é suspensa
Família Floyd volta a respirar: policial é condenado pela morte de homem negro
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco