Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

IMPASSE

Eleição na Câmara dos Deputados deixa Marília Arraes (PT) em situação delicada no partido

Publicado em: 04/02/2021 14:50 | Atualizado em: 04/02/2021 20:59

 (Bruna Costa/Esp.DP)
Bruna Costa/Esp.DP

 A corda que segura Marília Arraes (PT) ao partido está prestes a torar. A metáfora serve para ilustrar o que vaticinou, em reserva, um membro da sigla à reportagem. A declaração foi dada logo após a deputada federal lançar candidatura própria na Câmara dos Deputados - onde obteve sucesso, sendo eleita segunda secretária. Há quem diga que ela “bateu de frente” com o partido ao se lançar. Por outro lado, há quem ateste que “ela fez o jogo dela” e a defenda “não está indo de encontro, está representando a sua causa”. 

 

Para quem não se lembra, à época da formação do bloco que estaria na base de Baleia (MDB-SP), antes de sua dissolvição pelo novo presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), o nome de Marília (PT) era o indicado pelo partido para compor a Mesa. Logo após a decisão de Lira, o partido se reuniu e decidiu indicar outro nome: João Daniel (PT-SE). Acerca disto, um aliado político assinalou que “existe um problema aí… uma hora era Marília e, de repente, passa a ser outro”. 

 

A candidatura foi bem sucedida. Marília (PT) foi eleita em segundo turno com 192 votos. Aliados próximos afirmam que o resultado que firmou a sua conquista ao cargo poderia ser “mais massacrante” se ela não tivesse “postado duras críticas a Lira em suas redes”.  Em reserva, um líder partidário prognosticou o seguinte: “Marília está indo para um caminho sem volta…”, na mesma conversa, o parlamentar ressalta que a eleição de Arraes (PT) na Mesa “mostra que a força dela se sobressai ao partido e tem futuro para alçar caminhos políticos sólidos”. O congressista conjecturou "A vitória na Câmara pode significar uma derrota para ela na sigla.". 

 

Depois do movimento feito pela deputada federal, a líder do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann concedeu entrevista à coluna Painel, da Folha de São Paulo, onde salientou que a atitude da petista foi de encontro aos regimentos internos da sigla. “A atitude da deputada rompe procedimento estatutário do PT e isso terá de ser analisado nas instâncias partidárias”, destacou a líder nacional. 

 

Questionada sobre as consequências da decisão de Arraes (PT) na Câmara, a deputada estadual Teresa Leitão (PT) afirma que, além de tudo, “se faz necessária uma vistoria sobre todo o processo”. Teresa (PT) salientou ainda que, para que haja uma saída “forçada” é preciso que protocolem pedido que deve passar pela análise da Comissão de Ética do PT. O que, segundo ela, ainda não fora feito, muito menos sinalizado internamente. “Isso ainda não foi feito. Marília estava no direito de concorrer avulsamente”, proferiu. 

 

A deputada avalia que os rumos que ambas vitória e decisão de Marília estão tomando podem reverberar de forma negativa na sigla. “Claro que não é bom pro partido. Mas, a gente precisa analisar todo o roteiro e todos os procedimentos”, evidenciou. Outro correligionário, em reserva, disparou: “Ela segue querendo ser independente. As hastes dela precisam ser aparadas”.  

 

Sobre a mudança no nome oficial do partido, Teresa (PT) avalia: "Acho que esse processo foi muito tumultuado. A bancada do PT tem mais de 50 deputados, só em uma reunião mais profunda é que vai ser analisado o fato”. 

 

 

Posicionamento

 

A reportagem entrou em contato com a assessoria de Marília Arraes (PT) que, até o momento da publicação desta matéria, não se posicionou.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 03/03
Secretários estaduais de Saúde pedem mais rigor nas medidas de restrição contra Covid-19
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 02/03
Com 93% de taxa de ocupação de UTIs, Pernambuco decreta mais restrições
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco