Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

PANDEMIA

Doria acusa Ministério da Saúde de viés político após retirada de leitos de UTI no estado

Publicado em: 05/02/2021 15:00

 (Foto: Governo do Estado de São Paulo)
Foto: Governo do Estado de São Paulo
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), acusou o Ministério da Saúde de operar com viés político depois que a pasta desabilitou no estado 3.258 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) destinados a pacientes com covid-19. O tucano, adversário político do presidente Jair Bolsonaro, ressaltou que os leitos foram desabilitados (retirados do rol daqueles que podem ser utilizados pelo Sistema Único de Saúde - SUS) “em plena pandemia, numa das fases mais difíceis da segunda onda”.

“Um absurdo o ministério virar as costas por uma razão política e ideológica”, pontuou Doria. O governador ressaltou que "o SUS é uma conquista do Brasil, de todos os brasileiros”. “O Ministério da Saúde quebra o pacto federativo ao impor a desabilitação”, afirmou Doria, pontuando que a atitude tem “claramente um viés político no enfrentamento de uma crise gravíssima de saúde”, ressaltou.

Com a desabilitação dos leitos, o custeio passa a ser apenas do estado e dos municípios, como explicou o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn. De acordo com ele, o estado já teve quase 5 mil leitos públicos, e agora, o Ministério da Saúde habilitou apenas 564, compondo 11% do total que é ofertado. Gorinchteyn completou que, por parte do ministério, "não há nenhum posicionamento estratégico de quando e se será realmente habilitado [novos leitos] em algum momento".

O governador afirmou que, se necessário, irá judicializar a questão, recorrendo ao Supremo Tribunal Federal (STF) para exigir os leitos. “Se tivermos até hoje ao final da tarde uma resposta positiva do Ministério da Saúde para aquilo que já deveriam ter fornecido, (...) se até o final do dia confirmarem a reabilitação dos leitos e também uma data para entrega das seringas, não há razão para contestação legal judicial. Se não o fizerem, na segunda-feira (8/2) o assunto será judicializado", disse Doria.

O tucano disse que isso pode servir “de base para vários outros governadores que também estão queixosos pela desabilitação de leitos em plena pandemia”. “Quero deixar claro que a denúncia não é apenas do estado de São Paulo, há outros estados brasileiros também que estão sendo penalizados com o descredenciamento de leitos de UTI para atendimento de pacientes com a covid-19", afirmou.

Além disso, Gorinchteyn relatou, ainda, que as agulhas e seringas que foram solicitadas ao Ministério da Saúde para continuidade do Programa Nacional de Imunização (PNI) no estado de São Paulo ainda não foram enviadas pela pasta. “Mesmo através de reiterados ofícios que foram mandados desde o dia 26 de janeiro, não tiveram qualquer posicionamento do Ministério da Saúde”, disse. O secretário explicou que o estado solicitou 3,4 milhões de seringas e agulhas, que ainda “sequer estão previstas”.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Combate à obesidade ganha ainda mais importância no contexto da pandemia
Resumo da semana: explosão de casos de Covid-19 e desdém do presidente
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 05/03
Na pior fase da pandemia, cidades fazem panelaço contra Bolsonaro
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco