Decisão Tribunal manda soltar mulher acusada de integrar grupo que hackeou autoridades

Por: Agência Estado

Publicado em: 02/10/2019 20:37 Atualizado em:

Suelen foi presa em Araraquara na primeira fase da operação Spoofing, deflagrada pela Polícia Federal sob a acusação de integrar um grupo de hackers suspeito de ter grampeado o ministro Sergio Moro e outras autoridades. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)
Suelen foi presa em Araraquara na primeira fase da operação Spoofing, deflagrada pela Polícia Federal sob a acusação de integrar um grupo de hackers suspeito de ter grampeado o ministro Sergio Moro e outras autoridades. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
O Tribunal Regional Federal da 1ª Região mandou soltar o primeiro dentre os seis presos na investigação sobre as invasões de aplicativos de telecomunicação de altas autoridades da República. Por decisão da Quarta Turma, nesta quarta-feira (2) Suelen Priscila de Oliveira poderá cumprir medidas alternativas à prisão. Por outro lado, o colegiado negou soltar o DJ Gustavo Santos, companheiro de Suelen, e o motorista de Uber Danilo Marques.

Suelen foi presa em Araraquara na primeira fase da operação Spoofing, deflagrada pela Polícia Federal, em 23 de julho, sob a acusação de integrar um grupo de hackers suspeito de ter grampeado o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, procuradores da Lava Jato e outras autoridades como ministros de Estado e de tribunais superiores.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.