Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

votação

Reforma da Previdência deve ser aprovada sem grandes complicações no Senado

Publicado em: 21/10/2019 08:23

Foto: Roque de Sá/ Agência Senado
A aprovação da lei que trata da distribuição dos recursos do pré-sal na semana passada, e, de quebra, o envio de vários projetos que ajudam a garantir o pagamento das emendas impositivas ao Orçamento da União ajudaram a melhorar o clima para a votação da reforma da Previdência no Senado, nesta semana. A tendência é de aprovação com um placar muito semelhante ao registrado no primeiro turno, 56 a 20. Além disso, a sensação na Casa é a de que os senadores potencialmente aliados ao governo não pretendem usar essa reforma para mandar recados ao Planalto. E o PSL, foco da crise do momento, não tem uma bancada expressiva no Senado que possa tumultuar o processo, são apenas três senadores.

A tendência de aprovação, entretanto, não permite que o governo cochile na hora de apreciar o texto. No primeiro turno, a oposição conseguiu mudar a regra de concessão do abono do PIS/Pasep previsto na proposta e garantiu que os trabalhadores que recebem até dois salários mínimos (a preços de hoje, R$ 1.966)  tenham direito ao benefício. O projeto previa o benefício para quem recebe um salário de até R$ 1.364,00 por mês. O governo foi pego de surpresa. Por isso, a ordem agora é ficar de olhos bem abertos para se antecipar aos movimentos da oposição de modo a não comprometer a economia de pouco mais de R$ 800 bilhões prevista com o projeto de reforma a ser votado esta semana.

A oposição, entretanto, não entregou os pontos. Não vai obstruir, ou seja, sair do plenário para não dar quórum. Até porque essa estratégia não funcionaria. A ordem ali é tentar mexer ainda mais no texto, com emendas de redação, da mesma forma que foi feito no primeiro turno. Com o sucesso da primeira investida, a oposição pensa em repetir a dose em relação à aposentadoria dos vigilantes e dos eletricitários e também uma emenda que derrube a idade mínima para atividades prejudiciais à saúde. “O jogo ainda não está terminado”, diz o senador Paulo Paim (PT-RS).

Para tentar sensibilizar os colegas, o senador Paulo Paim faz hoje uma última sessão de debates sobre a reforma na Comissão de Direitos Humanos. Ele convidou vários especialistas em direito previdenciário e assessores da Câmara. Diante do pouco movimento na Casa, espera atrair os holofotes para mostrar o que considera injusto na proposta. A área econômica, porém, considera que a proposta, do jeito que está hoje, é o mínimo que deve ser feito diante de um país sem recursos para levar adiante os projetos sociais.

Além da Previdência, o governo prepara um pacote de medidas para apresentar ainda esta semana, assim que tiver o resultado da reforma previdenciária. O ânimo dos parlamentares para votar qualquer grande mudança este ano está pequeno. Há quem diga que as mudanças em aposentadorias e pensões encerra a temporada de reformas de 2019. E a nove terças-feiras do fim do período legislativo, as discussões podem até avançar, mas concluir novas reformas este ano, é visto como uma missão impossível. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A pandemia em Pernambuco  destaques de 01/06
Jogos Inesquecíveis: Um mundão para chamar de meu
De 1 a 5: Alterações do olfato, perda auditiva e Covid-19
01/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco