Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Política

escolha

Pressão de filhos cria impasse sobre futuro de Bolsonaro no PSL

Publicado em: 15/10/2019 07:36

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Filhos do presidente Jair Bolsonaro, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) atuam para tentar contornar a crise interna no PSL.

De acordo com relatos feitos à reportagem, os dois buscam uma solução para evitar que o pai deixe o partido e, assim, provoque uma debandada em massa de integrantes da sigla.

Hoje, Eduardo e Flávio controlam, respectivamente, os diretórios do PSL em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Uma ruptura com o partido teria impacto direto para os congressistas em seus estados -que figuram entre os cinco maiores colégios eleitorais do país.

Além disso, também pesa o fato de que, hoje, o PSL é o partido com a maior fatia de dinheiro público entre todos os 32 registrados no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Em 2020, somando os fundos partidário e eleitoral, o PSL pode ter em caixa R$ 350 milhões -o valor leva em conta as estimativas de R$ 1 bilhão para o fundo partidário, e os R$ 2,5 bilhões propostos pelo governo para o fundo eleitoral.

De acordo com aliados de Flávio, o aceno da ala da sigla ligada ao deputado Luciano Bivar (PSL-PE), atual presidente do partido, ao governador do Rio, Wilson Witzel (PSC), preocupou o senador.

A avaliação é a de que o filho mais velho do presidente -que trava um embate público com o chefe do Executivo fluminense- seria o principal prejudicado se o pai optar pela desfiliação do PSL.

Sem saída, ele teria de acompanhar o presidente e perderia capital político no Rio. Por isso, desde o início da crise, Flávio tem atuado para tentar contornar as desavenças.

Nesta segunda-feira (14), ao participar de um evento em São Paulo, Eduardo afirmou que a crise "é contornável". "Só para morte não existe solução", disse após um debate sobre reforma tributária na Band.

A agenda de Bolsonaro nesta segunda foi marcada por uma série de reuniões para discutir seu futuro partidário.

Pela manhã, ele recebeu os advogados Karina Kufa e Admar Gonzaga, que é ex-ministro do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), responsáveis por buscar uma saída jurídica diante do impasse com o PSL.

Pouco antes, Flávio esteve no Palácio do Planalto.

O grupo ligado a Bivar admite que os filhos fizeram gestos de reaproximação na semana passada, mas que, desde então, a temperatura interna só subiu.

Hoje, de acordo com esses relatos, uma ala da bancada do PSL não topa a reconciliação e tem atuado para que a desfiliação de Bolsonaro e de seu grupo aconteça o quanto antes.

A tentativa de apaziguar os ânimos também surgiu em meio à avaliação de que, hoje, não há clima para a criação de um novo partido. Bolsonaro foi aconselhado por seus advogados a não abraçar esse caminho.

O cenário apresentado é o de que, além de o TSE não estar disposto a validar a criação de uma 33ª sigla, a opinião pública não receberia bem a ideia de que Bolsonaro estaria construindo um partido para chamar de seu.

Nesta segunda, o líder do governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO), defendeu que o partido continue aliado à atual gestão federal e disse que a legenda teria acabado se não fosse a filiação do presidente.

Nas audiências privadas, segundo relatos feitos à reportagem, o presidente disse que não deixará o partido no curto prazo e que o acesso à prestação de contas da sigla definirá seu destino.

Após encontro com Bolsonaro, Vitor Hugo afirmou ainda que a atual tensão no PSL é natural para um partido que cresceu abruptamente nas últimas eleições e que o esforço é para que ele continue a ser um aliado do Palácio do Planalto.

"A nossa torcida é que a gente consiga o mais rápido possível superar essas tensões para que o partido continue sendo mais do que a pedra angular do governo, que seja governo", disse.

"Quanto mais unidos e mais transparentes formos, maior legitimidade vamos ter para atrair os partidos em torno de nós", afirmou.

Em conversas nesta segunda com deputados aliados, o ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, defendeu que agora não é o melhor momento de se tomar uma decisão e que o ideal é esperar que os ânimos se acalmem.

O presidente foi até mesmo aconselhado por ministros palacianos a deixar a discussão para a volta de sua viagem à Ásia.

Ele embarca no próximo sábado (19) e só retorna ao Brasil em novembro. A avaliação é de que criar neste momento uma saia-justa com o PSL pode atrapalhar votações de pautas do governo.

A crise de Bolsonaro com o PSL se arrasta desde os primeiros meses da gestão, mas ganhou nova dimensão no início da semana passada, quando o presidente pediu que um apoiador esquecesse o partido e disse que o presidente da legenda, Luciano Bivar, estava "queimado pra caramba".

"Esquece o PSL, esquece o PSL, tá OK?", cochichou Bolsonaro no ouvido do apoiador que o esperava na porta do Palácio da Alvorada, para gravar um vídeo.

Depois de eleger Bolsonaro com discurso contra corrupção, o PSL enfrenta uma crise ética desde que foi atingido por suspeitas de candidaturas laranjas, caso revelado pelo jornal Folha de S.Paulo em fevereiro e que já resultou na queda do ex-chefe da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno.

Entre os suspeitos de irregularidades está Bivar, que é deputado federal, e o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio.

Em fevereiro, a Folha de S.Paulo revelou que o hoje ministro do Turismo de Bolsonaro patrocinou em 2018, quando era presidente do PSL-MG e candidato a deputado federal, o desvio de verbas públicas do partido por meio de quatro candidatas do interior de Minas.

Apesar de figurarem no topo das que nacionalmente mais receberam dinheiro público do PSL, R$ 279 mil, as quatro não apresentaram sinais evidentes de que tenham realizado campanha e, ao final, reuniram, juntas, apenas 2.074 votos.

Parte dos recursos que Álvaro Antônio direcionou a elas, como presidente estadual da sigla, foi parar em empresas ligadas a assessores e ex-assessores de seu gabinete na Câmara.

Álvaro Antônio foi alvo de denúncia pelo Ministério Público de Minas Gerais no último dia 4.

Além de Minas, a Folha de S.Paulo revelou a existência do esquema também em Pernambuco, terra do presidente nacional da legenda de Bolsonaro, o deputado federal Luciano Bivar.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Sobe, Lia, sobe.
João Alberto entrevista Larissa Lins
Como se preparar para as provas do SSA 3 da UPE
Pelé abre o jogo e fala sobre racismo, mil gols e sucessor
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco