decisão Aras mantém procuradores da Lava-Jato que atuam junto ao Supremo

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 10/10/2019 07:40 Atualizado em:

AFP/EVARISTO SA
AFP/EVARISTO SA
O procurador-geral da República, Augusto Aras, decidiu manter no Supremo Tribunal Federal (STF) os procuradores do grupo de trabalho da Lava-Jato que já estavam em atividade na Corte. São os representantes do Ministério Público Federal (MPF) que atuam nas investigações que envolvem políticos com foro por prerrogativa de função perante o tribunal. A equipe será coordenada por José Adonis Callou de Araújo Sá.

No mês passado, ainda durante a gestão de Raquel Dodge, seis procuradores entregaram os cargos em decorrência do descontentamento com uma manifestação da então chefe do Ministério Público perante o Supremo. Dodge pediu para que trechos da delação do ex-executivo da OAS Léo Pinheiro que citam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e um irmão do ministro Dias Toffoli, do STF, fossem anulados.

Após o fim do mandato de Raquel Dodge, o então procurador-geral em exercício, Alcides Martins, anunciou o retorno dos procuradores.

De acordo com a PGR, passam a atuar no Supremo os procuradores José Adonis Callou de Araújo Sá, Alessandro José Fernandes de Oliveira, Hebert Reis Mesquita, Leonardo Sampaio de Almeida, Luana Vargas Macedo, Maria Clara Barros Noleto e Victor Riccely Lins Santos. Entre as atribuições dos membros do grupo de trabalho, de acordo com o MPF, estão as de “realizar oitivas e participar de outros atos de produção de prova, de audiências judiciais, requisitar informações e documentos de interesse das investigações, e participar de atos instrutórios objetivando a celebração de acordos de colaboração premiada”.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.