Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

grupo de trabalho

Presidente da CCJ busca resgatar pontos rejeitados do pacote anticrime

Publicado em: 21/09/2019 07:49

Marcelo Camargo/Agência Brasil
O presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, Felipe Francischini (PSL-PR), anunciou que se reunirá, na próxima semana, com o grupo de trabalho para discutir a possível retomada de alguns pontos que foram retirados do pacote anticrime do ministro da Justiça, Sérgio Moro. “Um desses casos, por exemplo, é a questão da prisão em segunda instância. O pacote anticrime mandou um projeto de lei sobre a questão da prisão em segunda instância, e o entendimento do grupo de trabalho, que é um entendimento que eu também tenho como parlamentar e advogado, é que tem que ser via emenda à Constituição”, afirmou.

Francischini disse que há uma PEC, de autoria do deputado Alex Manente (Cidadania-SP), que tramita há alguns anos na CCJ e que prevê a prisão em segunda instância. A matéria é relatada pela deputada Caroline De Toni (PSL-SC). “A minha reunião, na próxima semana, com o grupo de trabalho será para que possamos ver todos os itens que foram retirados do pacote anticrime ou que estão sendo alterados por vício formal. O que for vício formal, nós tentaremos salvar lá na Comissão de Constituição e Justiça”, emendou.

Além disso, um dos três textos do pacote anticrime está na pauta do colegiado para ser votado na terça-feira. É o Projeto de Lei Complementar (PLP) 38/2019, que estabelece regras de competência da Justiça comum e da Justiça Eleitoral. A matéria, segundo o presidente da CCJ, recebeu parecer favorável da relatora, deputada Bia Kicis (PSL-DF). Caso seja aprovado na comissão, seguirá para votação no plenário. Francischini disse que o respaldo ao projeto é necessário porque causou “uma certa instabilidade” a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de atribuir à Justiça Eleitoral o julgamento de casos de corrupção que envolvam o crime de caixa 2.

“Houve uma decisão do STF recentemente, sobre essa questão de casos de corrupção, que são casos muito complexos. É isso que o ministro Sérgio Moro explica na fundamentação do projeto, pois acabou causando uma certa instabilidade”, ressaltou Francischini. “Muita gente hoje não sabe se é a Justiça Eleitoral ou Justiça comum. O PLP 38 faz a separação exata, mudando o Código de Processo Penal e o Código Eleitoral. A discussão está bastante amadurecida e chegou o momento de a gente começar a debater e a votar os temas do pacote anticrime.”
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Segundo turno em PE: João Campos é eleito prefeito do Recife
Polícia Federal caça responsáveis por tentativa de ataque ao sistema do TSE
Apesar de empate em pesquisas, João Campos confia em vitória
Marília Arraes tem agenda intensa no dia que decide a eleição no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco