PESQUISA Pobres e os de 35 a 59 anos puxam alta na reprovação a Bolsonaro, aponta Datafolha

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 03/09/2019 15:04 Atualizado em:

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Os mais pobres e as pessoas de 35 a 59 anos puxaram a alta na reprovação ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), aponta pesquisa Datafolha realizada nos dias 29 e 30 de agosto.

A fatia que considera o governo ruim ou péssimo cresceu em todos os segmentos de renda, idade, escolaridade, região e cor.

Mas a representatividade dessas duas faixas -aqueles com renda familiar mensal de até dois salários mínimos e pessoas de 35 a 59 anos- em relação à população brasileira foi decisiva para o aumento geral da reprovação.

O levantamento indica que, em agosto, 38% dos entrevistados consideraram o governo Bolsonaro ruim ou péssimo. Avaliaram como ótimo ou bom 29%, enquanto 30% o consideraram regular.

Em abril, quando o Datafolha fez a primeira pesquisa de avaliação do governo, 30% o avaliavam como ruim/péssimo, 32% como ótimo/bom e 33% como regular.

Na faixa de quem tem renda familiar mensal de até dois salários mínimos, a reprovação foi de 34% em abril para 43% em agosto. Essa fatia representa 44% da população brasileira com 16 anos ou mais.

O Datafolha ouviu 2.878 pessoas em 175 municípios de todas as regiões do país. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos, e o nível de confiança é de 95%.

A reprovação a Bolsonaro também teve alta expressiva entre pessoas de 35 a 44 anos e na faixa de 45 a 59 anos na comparação dos dados de abril e agosto -os dois segmentos representam 44% da população.

O diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, interpreta o crescimento da reprovação nessas duas fatias como consequência da reforma da Previdência, aprovada pela Câmara em julho. "São duas faixas atingidas diretamente por esse tema."

Paulino ressalta ainda o "peso político e simbólico" representado pelo crescimento da reprovação a Bolsonaro em três segmentos que ajudaram a elegê-lo em 2018: pessoas com nível superior de escolaridade, renda de mais de dez salários mínimos e moradores da região Sul, ainda que esses estratos tenham uma representatividade menor quando comparados à população brasileira.

"São os eleitores dele, onde ele obteve vantagens acima da média na eleição."

O diretor-geral do Datafolha aponta a radicalização no discurso do presidente nas últimas semanas como a principal explicação para a alta da reprovação nesses segmentos. "A inadequação ao cargo de presidente é o que mais influencia esses eleitores que estão desistindo dele."

Os mais ricos e os mais escolarizados são ainda os mais polarizados, de acordo com a pesquisa realizada em agosto. Entre quem ganha mais de dez salários mínimos, apenas 16% avaliam o governo como regular –ótimo/bom soma 37%, enquanto ruim/péssimo, 46%.

Entre aqueles com nível superior de escolaridade, 32% aprovam o governo, e 43% reprovam, enquanto 25% o consideram regular.

O Nordeste segue como a região do país que mais reprova o governo (52%), enquanto o Sudeste se mantém como um reduto mais favorável ao bolsonarismo por ter perdido menos na faixa ótimo/bom e avançado menos na ruim/péssimo.

O peso do Nordeste, porém, é menor estatisticamente, com 26% da população, contra 44% do Sudeste.

Entre os entrevistados que se declaram pretos, houve aumento de 14 pontos percentuais no índice de rejeição ao governo, e caiu 10 pontos a parcela que dizia aprovar a gestão do presidente.

Agora, metade (51%) reprova Bolsonaro, maior percentual entre os recortes de cor, e 19% consideram sua administração ótima ou boa.

Houve ainda aumento da rejeição entre os indígenas, com 14 pontos de crescimento entre os que consideram a gestão ruim ou péssima. São 42% os que disseram reprovar o governo, contra 28% em abril.

O presidente já deu diversas declarações contrárias à demarcação de terras indígenas. Na semana passada, em reunião com governadores para tratar das queimadas na Amazônia, Bolsonaro chamou de irresponsável a política de governos anteriores de demarcar novas terras.

Mesmo entre os brancos, que são os que mais apoiam o governo (36% de ótimo e bom), houve alta no índice de rejeição. Em abril, eram 25% os que reprovavam Bolsonaro, contra 36% em agosto.

Nem os esforços do presidente para se aproximar dos evangélicos fez com que seus índices de aprovação tivessem alta entre os adeptos da vertente religiosa. 

Bolsonaro prometeu um ministro "terrivelmente evangélico" para o Supremo Tribunal Federal, participou de cultos e esteve com pastores. Ainda assim, caiu cinco pontos o índice total de evangélicos que dizem aprová-lo.

Houve aumento de nove pontos, contudo, entre os neopentecostais. Hoje, eles são o segmento religioso que mais apoia o presidente, com 46% de aprovação.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.