Morte Morre o jornalista Newton Carlos, referência da cobertura internacional do País

Por: Agência Estado

Publicado em: 30/09/2019 18:48 Atualizado em:

Foto: Arquivo pessoal (Foto: Arquivo pessoal)
Foto: Arquivo pessoal
Morreu nesta segunda-feira (30) o jornalista e escritor Newton Carlos. Ele completaria 92 anos em novembro. Durante cerca de seis décadas, Newton se tornou um dos maiores especialista na cobertura internacional de sua época, e ajudou a projetar o olhar da imprensa brasileira sobre o mundo.

Newton Carlos de Figueiredo nasceu em 19 de novembro de 1927 em Macaé, no norte do Estado do Rio de Janeiro, quando a cidade ainda não havia se tornado uma potência regional na exploração de petróleo. Iniciou sua carreira durante a década de 1950, no jornal carioca Correio da Manhã, já extinto.

Como repórter, cobriu alguns dos principais acontecimentos da política internacional. Golpes de Estado e revoltas na América Latina, guerras na Ásia, movimentos de independência na África, a projeção dos Estados Unidos durante o período da Guerra Fria e o ressurgimento da China como potência mundial foram temas de reportagens, colunas e também de seus livros. Newton Carlos escreveu obras como A Conspiração - De Kennedy ao Vietnam (1966) América Latina - Dois pontos (1978), Bush e a Doutrina das Guerras sem Fim (2003) e De Olho no Mundo (2010), entre outros.

Teve passagem por alguns dos principais jornais e TVs do País. Foi colunista de política internacional do jornal Folha de S.Paulo por 25 anos, editor e articulista do Jornal do Brasil, dos jornais Zero Hora e Tribuna da Imprensa e da revista Manchete, além de redator da TV Globo e comentarista da Rede Bandeirantes por quase 30 anos.

Ele deixa a esposa, Eliana, e três filhas: Claudia, Marcia e Janaína. O velório acontece às 13h da terça, 1 de outubro, no Memorial do Carmo no Caju.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.