sem verde e amarelo Em resposta a Bolsonaro, estudantes vestirão preto no 7 de Setembro

Por: Diario de Pernambuco

Publicado em: 04/09/2019 13:47 Atualizado em: 04/09/2019 14:36

Foto: Divulgação / UNE
Foto: Divulgação / UNE

Para celebrar o dia 7 de Setembro, quando se comemora a Independência do Brasil, Jair Messias Bolsonaro sugeriu que a população fosse as ruas trajando verde e amarelo. De acordo com o presidente, o ato servirá para 'mostrar ao mundo que aqui é o Brasil, que a Amazônia é nossa.' Em resposta, movimentos estudantis se organizam para ocupar as capitais vestindo preto. Recife é uma delas.

A hashtag 'Dia 7 vou de preto' figura entre os assuntos mais comentados no Twitter Brasil nesta quarta-feira. A cor, segundo os manifestantes, significa luto pela Amazônia e pelos cortes em Educação. 

Recentemente, Bolsonaro afirmou que esvaziaria as carteiras estudantis emitidas pela UNE (União Nacional dos Estudantes), Ubes (União Nacional dos Estudantes Secundaristas) e ANPG (Associação Nacional de Pós-Graduandos). De acordo com o presidente, uma nova carteira digital será criada e benefícios para estes movimentos serão cortados. 'Não vai ter mais que pagar para a UNE, que quem manda lá é o PCdoB', afirmou. 'Vai faltar dinheiro para o PCdoB, hein!?', acrescentou.





De acordo com a UNE, pelo menos 50 cidades participarão dos atos pelo país. No Recife, a mobilização está marcada para as 8h, na Praça do Derby, área central da capital pernambucana. 

Collor 

Tanto o pedido de Bolsonaro quanto a negativa dos estudantes relembram um acontecimento importante da história do país: o movimento caras-pintadas, durante o mandato de Fernando Collor de Melo, em 1992. À época, movimentos estudantis usaram do dia para vestir preto e endossar o coro de impeachment do então presidente. 



Bolsonaro parece estar ciente. Na última terça-feira, em cerimônia no Palácio do Planalto, o chefe de estado disse: 'Eu lembro lá atrás que um presidente disse isso e se deu mal. Mas não é o nosso caso. O nosso caso é o Brasil.'



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.