posicionamento Dilma fala sobre privatizações e crise ambiental em retorno ao Congresso

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 04/09/2019 15:38 Atualizado em:

Foto: Vinícius Loures/Câmara dos Deputados
Foto: Vinícius Loures/Câmara dos Deputados
A ex-presidente Dilma Rousseff voltou pela primeira vez ao Congresso Nacional desde o próprio impeachment nesta quarta-feira (4). Dilma movimentou a manhã da Casa ao chegar pela chapelaria da Câmara dos Deputados. Dilma caminhou até o auditório Nereu Ramos rodeada por pessoas e deputados que a receberam na entrada. A ex-presidente esteve na Câmara para o lançamento da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Soberania Nacional, presidida pela senadora Zenaide Maia (PROS/RN).

O evento contou também com a presença de ex-candidatos à presidência da República Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL). Dilma chegou ao auditório com gritos de apoio. "Olê, olê, olê, olá, Dilma, Dilma!", gritaram manifestantes. Em seu discurso, Dilma criticou a privatização das estatais, anunciada pelo governo Bolsonaro recentemente, no final de agosto. 

"A privatização das estatais é desnacionalização dessas empresas. Principalmente das maiores. A Petrobras não será privatizada, será desnacionalizada Não há no Brasil capital suficiente para comprar e desenvolver a Petrobras", afirmou. Dilma também comentou a crise ambiental da Amazônia, que se transformou em uma crise internacional nas últimas semanas.

“O gasto em meio ambiente veio caindo desde depois do golpe, do governo Temer, que foi desmantelando os processos de fiscalização. Esse processo ganha um ímpeto no governo Bolsonaro que mostra um descompromisso com a questão da sobrevivência de um dos maiores patrimônios que nós temos, a Floresta Amazônia”, declarou.

Dilma também citou o programa Future-se em sua fala e após o discurso foi aplaudida de pé pela plateia presente no auditório. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.