investigações Delator gravou conversa sobre propina com assessor de Fernando Bezerra Coelho

Por: Danielle Santana - Diario de Pernambuco

Publicado em: 21/09/2019 08:59 Atualizado em:

Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
O jornal O Globo revelou na manhã deste sábado (21) que a Polícia Federal obteve a gravação de uma conversa entre Iran Padilha, ex-assessor do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) e o operador financeiro e delator João Carlos Lyra. Durante o contato, Lyra cobra a Padilha o pagamento de um "empréstimo" milionário que teria sido feito a Fernando Bezerra Coelho durante as eleições de 2014, os responsáveis pela quantia seriam Lyra e Eduardo Leite, que também fez delação premida. A conversa ocorreu em fevereiro de 2017 e a gravação foi realizada por João Carlos Lyra. 

Segundo as investigações, Lyra operava repassando propinas milionárias de empreiteiras que tinham contratos no Ministério da Integração Nacional durante o governo da ex-presidente Dilma Rousseff, quando Bezerra Coelho era ministro. O empréstimo no valor de R$ 1,7 milhão acabou não sendo pago pela OAS por conta dos efeitos da Operação Lava Jato. Por conta disso, Lyra realizou a cobrança diretamente com o então assessor do senador e responsável por receber os pagamentos. 

Na transcrição do aúdio de 20 minutos a qual o jornal O Globo teve acesso, Lyra e Padilha conversam sobre a marcação de um encontro com "Fernando pai", o operador questiona ao asessor a taxa de juros paga o pagamento do empréstimo. Ao conversar sobre o local para realizar o pagamento, João Lyra questiona se São Paulo não seria um lugar arriscado, por conta da necessidade de se identificar na entrada dos prédios empresariais. A conversa continua:

Lyra: E quem participaria da reunião? Fernando pai ou o filho?
Padilha: Acho que é o pai...
Lyra: Eu e ele né.
Padilha: É...
Lyra: Não vem nada de advogado, essas coisas, não?
Padilha: Não, que eu saiba não.

No fim do contato, Padilha avisa que irá marcar o encontro com o senador e avisará João Lyra da data. Segundo o delator, o encontro não chegou a acontecer. 

Procurada pela reportagem do jornal O Globo, a defesa de Fernando Bezerra Coelho não se manifestou. Ao comentara a operação com à Folha de S. Paulo, o advogado André Callegari afirmou que a recente operação da PF que teve como alvo o senador Bezerra Coelho se tratava de uma retaliação do ministro Sergio Moro. A defesa de Iran Padilha não respondeu. 



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.