ONU Brasil atuou "de forma construtiva" na Cúpula do Clima, diz Itamaraty

Por: Agência Brasil

Publicado em: 23/09/2019 13:45 Atualizado em:

Foto: Marcos Corrêa/PR
Foto: Marcos Corrêa/PR
O Ministério das Relações Exteriores informou hoje (23) que participou de forma construtiva do processo preparatório da Cúpula de Ação Climática, que ocorre paralelamente à 74ª Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova York, nos Estados Unidos. O evento começou no sábado (21) com  a Cúpula da Juventude pelo Clima, e termina nesta segunda-feira com a participação de líderes mundiais.

“O governo brasileiro está plenamente comprometido com o cumprimento de seus compromissos internacionais na área ambiental”, diz a nota do Itamaraty. O presidente Jair Bolsonaro, entretanto, não vai paraticipar da cúpula. Ele embarcou hoje para Nova York, onde participará da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Coalizões temáticas

Segundo o Itamarty, nos meses que antecederam o evento, foram formadas nove coalizões temáticas, uma delas dedicada a Infraestrutura, Cidades e Ação Local, da qual o Brasil participou.

Em parceria com o Quênia e o programa ONU-Habitat, o Brasil apresentou uma proposta de ações sobre aprimoramento da resiliência de grupos urbanos vulneráveis.

Além disso, na coalizão sobre Transição Energética, o governo propôs a promoção de biocombustíveis no setor de transportes, baseada na experiência brasileira com o Programa Renovabio. “Finalmente, na coalizão Soluções Baseadas na Natureza, apresentamos proposta baseada nos resultados exitosos do Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas para a Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura (Plano ABC)”, informou o ministério.

A Cúpula de Ação Climática é uma iniciativa do Secretário-Geral da ONU, António Guterres, que disse esperar que ao fim do encontro seja feito o anúncio de ações concretas contra o aumento das temperaturas. A abertura do evento contou com a participação de jovens ativistas que têm impulsionado a luta contra o aquecimento global, entre eles, a ativista sueca Greta Thunberg, de 16 anos, que se destacou em protestos na Europa.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.