Campanha Bolsonaro pede população de verde e amarelo pela Amazônia no 7 de setembro

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 03/09/2019 19:03 Atualizado em:

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil  (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil )
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
O presidente Jair Bolsonaro (PSL), participou na tarde desta terça-feira (3) do lançamento da campanha Semana do Brasil. Na prática, funcionará como uma espécie de Black Friday, que terá data fixa no calendário nacional. Ainda na ocasião, o presidente aproveitou para ressaltar o sentimento de patriotismo. “Esse sentimento que nós temos de brasilidade e amor à pátria independe de quem a gente seja. A nossa pátria é essa que está aqui e se nós não gostarmos dela, fica difícil”.

Em outro trecho, ele reclama que “Parece que saudar bandeira, cantar o hino nacional, até se levantar por ocasião do cântico passou a ser algo reprovável. Teve gente que começou a queimar bandeira por aí. Mas como nem todo mal dura para sempre, as coisas vão melhorar no Brasil”. Ele disse que o país vai dar a volta por cima nas dificuldades econômicas e entrará para o Primeiro Mundo.

Bolsonaro apontou que a comemoração de 7 de Setembro, Dia da Independência, contará com a presença de personalidades religiosas e empresariais, como o bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus.

Além disso, ele ressaltou que a data servirá para “mostrar ao mundo que aqui é o Brasil, que a Amazônia é nossa” e fez um apelo para que a população compareça no dia da festividade trajando verde e amarelo. 

O chefe do executivo lembrou ainda que o ex-presidente Fernando Collor fez um apelo semelhante e "se deu mal" (em protesto, os manifestantes saíram de preto), mas afirmou que, dessa vez, não acontecerá o mesmo.

“A gente apela para quem está nos ouvindo, para quem está em Brasília, quem por ventura estiver no Rio de Janeiro, em São Paulo, que compareça de verde e amarelo. Eu lembro que lá atrás um presidente falou isso e se deu mal. Mas não é o nosso caso. Nosso caso é o Brasil. Não é para me defender, ou defender quem quer que seja. É para mostrar para o mundo que aqui é o Brasil. Que a Amazônia é nossa. O maior símbolo que temos no Brasil é o verde da Amazônia”.

Bolsonaro ainda fez uma crítica indireta ao presidente da França, Emmanuel Macron.  “Um presidente lá do outro lado do Atlântico resolver falar uma coisa que tocou a todos nós. falou em soberania relativa (da Amazônia). Mexeu conosco. Nós, brasileiros, e com os demais países da região amazônica. Nós queremos, sim, tirar uma posição disso. Isso serviu para acordar muita gente no Brasil que nem sabia o que era Amazônia, mas o pessoal foi acordando”, concluiu.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.