Depoimento Veja como o hacker diz ter chegado às mensagens de Deltan e Moro

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 26/07/2019 20:54 Atualizado em:

Foto: Reprodução/Twitter (Foto: Reprodução/Twitter)
Foto: Reprodução/Twitter
Em depoimento à Polícia Federal, Walter Delgatti, preso desde terça (26), contou como chegou às mensagens trocadas pela força-tarefa da Lava Jato. 
 
O depoimento foi revelado nesta sexta (26) pela GloboNews. Delgatti e outras três pessoas foram detidas sob suspeita de hackear a conta do Telegram de autoridades.
 
Ele também contou como conseguiu contato com o jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil. O site tem publicado uma série de reportagens baseadas nas conversas entre procuradores e o ministro Sergio Moro (Justiça), ex-juiz da Lava Jato.

Veja o passo a passo:
 
1) Delgatti contou que, primeiro, hackeou o promotor de Justiça Marcel Zanin. Ele tinha atuado em um processo em que Delgatti era réu por tráfico de drogas.
 
2) Ao vasculhar o Telegram de Zanin, o hacker se deparou com um grupo chamado Valoriza MPF. Ele então hackeou o Telegram de um procurador membro do grupo e achou o telefone de Kim Kataguiri, deputado federal (DEM-SP). 
 
3) Hackeando Kim, ele chegou a Alexandre de Moraes, ministro do STF. 
 
4) No Telegram de Moraes, Delgatti achou o número de Rodrigo Janot, ex-procurador-geral da República. 
 
5) No Telegram de Janot,  Delgatti encontrou os números de Deltan Dallagnol, Orlando Martello Jr e Januário Paludo, membros da força-tarefa da Lava Jato. Nas contas deles o hacker encontrou as mensagens que vêm sendo publicadas pelo site The Intercept Brasil e outros veículos, entre eles a Folha de S.Paulo.

Para chegar a Glenn Greenwald, do Intercept, Delgatti percorreu um caminho parecido. 
 
1) Ele primeiro hackeou o Telegram do ex-governador do Rio, Fernando Pezão (MDB).
 
2) Na conta de Pezão, ele achou o número da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).
 
3) No Telegram de Dilma, ele conseguiu o contato de Manuela d'Ávila, ex-candidata à Vice-Presidência pelo Pc do B. Delgatti, então, ligou para Manuela, contou das mensagens referentes à Lava Jato e pediu o contato do jornalista Glenn Greenwald, do Intercept.
 
4) Segundo Delgatti, Manuela não teria acreditado nele. Pelo Telegram, ele enviou um áudio entre os procuradores Januário Paludo e Orlando Martello Junior. 
 
5) Pouco depois do envio da gravação, Greenwald entrou em contato com Delgatti pelo Telegram.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.