Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política

Estados Unidos

Aliados de Bolsonaro trabalham para que entrega de homenagem mude para Dallas

Por: AE

Publicado em: 06/05/2019 13:01

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
Aliados do presidente Jair Bolsonaro trabalham para mudar o local da premiação de personalidade do ano que será entregue pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos no próximo dia 14. Na sexta-feira, dia 3, o Planalto anunciou que o presidente não viajaria a Nova York para receber o prêmio, depois de o prefeito da cidade ter criticado Bolsonaro e o evento virar alvo de protestos e boicotes. Agora, interlocutores do presidente nos EUA pressionam para que o evento seja realizado em Dallas, no Texas.

Sem dar detalhes, Bolsonaro afirmou na noite de domingo (5) a jornalistas que ainda "vai aos EUA". Ele não especificou itinerário ou data. A Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos não foi localizada após a declaração de Bolsonaro para informar se haverá mudança na cidade que sediará o evento. Na sexta-feira após o cancelamento da participação do presidente, a Câmara informou em nota que o prêmio ocorreria conforme programado.

A pressão pela mudança no local do evento não é consenso no governo. Há aliados do presidente que ainda insistem na ida a Nova York, especialmente depois da reação do prefeito Bill de Blasio. A avaliação desta ala é de que Bolsonaro não deve se acovardar e há alto interesse empresarial no evento.

Durante o fim de semana, De Blasio, comemorou o cancelamento da viagem de Bolsonaro à cidade. "Jair Bolsonaro aprendeu do jeito difícil que nova-iorquinos não fecham os olhos para a opressão. Nós expusemos sua intolerância. Ele correu. Não fiquei surpreso - valentões geralmente não aguentam um soco", escreveu ele. Na sequência, o prefeito completou: "Seu ódio não é bem-vindo aqui".

O vice-presidente Hamilton Mourão atribuiu o cancelamento a disputas políticas internas nos EUA. "A realidade é que o presidente se sente incomodado pela atitude do prefeito de Nova York, que nada mais é do que uma disputa interna nos Estados Unidos", disse Mourão. "O prefeito é democrata, o presidente Donald Trump é republicano e o presidente Jair Bolsonaro julgou por bem não se meter em algo que é uma disputa de outro país", afirmou o vice.

A ala que defende a mudança de local onde o evento vai ser realizado enfrenta alguns entraves, além das questões logísticas de remarcação de um jantar de gala em um período de uma semana. O quórum da premiação, se ocorrer no Texas, deve ficar prejudicado. Isso porque uma série de eventos paralelos ao prêmio e relacionados ao Brasil estão agendados para acontecer em Nova York do dia 13 ao dia 15. O voo de Dallas a Nova York dura mais de três horas.

Além disso, o prefeito de Dallas, Mike Rwalings, também é um democrata, como De Blasio. Mas pessoas próximas ao governo brasileiro, nos EUA, avaliam que como o Estado do Texas é conservador é menor o risco de uma reação política. O governador do Estado é republicano e um dos senadores texanos, Ted Cruz, também republicano, recebeu ano passado a visita do deputado Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do presidente.

A homenagem a Bolsonaro tem sido alvo de protestos e resistências nos Estados Unidos. Primeiro, o Museu de História Natural da cidade se recusou a ser sede para o evento. Depois, Bolsonaro foi alvo de críticas por Bill de Blasio.

A Câmara de Comércio teve dificuldade em conseguir um lugar para realizar o evento em Nova York, mas por fim havia reservado um espaço em um hotel da rede Marriott, próximo à Times Square. Durante a última semana, ativistas de direitos LGBTQ passaram a pressionar empresas que patrocinam o evento a boicotar a premiação.

Algumas empresas, como a Delta, decidiram deixar de patrocinar o jantar devido à pressão e ativistas preparavam uma manifestação na porta do local, antes de o Planalto anunciar o cancelamento da viagem.

A ida de Bolsonaro para os EUA incluía, inicialmente, não só a participação no evento, mas outras agendas organizadas em parte pelo mercado financeiro, além de uma ida a Miami para reunião com base eleitoral e republicanos.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
De 1 a 5: entenda as diferenças entre os tipos de exames para a Covid-19
Bolsonaro convida Temer para missão no Líbano
Rhaldney Santos entrevista o pré-candidato à prefeitura de Jaboatão Adelson Veras
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco