Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Política
lava jato Se Temer cair, quem assume? Entenda um pouco da complexa história que pode levar a presidência da república ao colo do deputado Rodrigo Maia e até além

Por: Hugo Melo

Publicado em: 17/05/2017 21:10 Atualizado em: 17/05/2017 23:11

Michel Temer negou ter pedido pagamentos por silêncio.
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil (Michel Temer negou ter pedido pagamentos por silêncio.
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Michel Temer negou ter pedido pagamentos por silêncio. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Um período de incerteza se aproxima. A luz das novas evidências reveladas nesta quarta-feira (17) pelo dono da JBS, Joesley Batista, na qual o atual presidente da república, Michel Temer aparece em gravações dando o aval para comprar o silêncio de Eduardo Cunha, ex-presidente da Câmara dos Deputados, uma dúvida permeia a mente dos brasileiros: Com uma eventual saída de Temer, quem assume a presidência?

Tendo em vista que o diálogo ocorreu em março deste ano, enquanto Michel Temer já era, de fato, presidente, um processo de impeachment, que já foi protocolado pelo deputado federal Alessandro Molon (Rede-RJ), pode ser aberto pedindo sua deposição. Caso caia, o país passará por um momento raro, no qual a linha sucessória irá além do vice-presidente.

Hoje a sucessão é simples, de acordo com o artigo 80 da Constituição, em caso de deposição do presidente, assume o vice-presidente, como ocorreu entre Dilma e Michel Temer. Caso Temer saia, o cargo de presidente será ocupado pelo presidente da Câmara dos Deputados, o deputado federal Rodrigo Maia (PMDB-RJ). Se Maia também for deposto, a presidência ficará novamente vaga e será então ocupada pelo presidente do Senado Federal, o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE). Por fim, num improvável cenário em que o cargo fique mais uma vez sem ocupante, o presidente do Supremo Tribunal Federal se torna o presidente da república: a ministra Cármen Lúcia.

Ainda é importante salientar que, nesta sucessão, os ocupantes não terminariam o mandato de seus antecessores. Os sucessores assumiriam provisoriamente. Segundo a Constituição, caso os cargos de presidente e vice fiquem vagos nos dois primeiros anos do mandato, uma eleição direta é realizada no prazo de 90. Se ambas as vacâncias ocorrerem nos últimos dois anos, atual possível cenário, o Congresso Nacional deve realizar uma eleição indireta dentro de 30 para eleger o novo presidente e vice. O eleito ocuparia o cargo até o fim do mandato, ou seja, até janeiro de 2019.

SAIBA MAIS

Aécio pediu R$ 2 milhões a dono da JBS, diz grampo

Período turbulento
O cenário político no país nunca esteve tão abalado, faltando pouco mais de um anos para as imprevisíveis eleições de 2018, a sucessão presidencial parece ainda mais comprometida. Apesar de não serem réus, tanto Rodrigo Maia quanto Eunício Oliveira já tiveram seus nomes presentes em delações da operação Lava Jato. O deputado Rodrigo Maia se tornou alvo de investigação da Lava Jato após pedido da Procuradoria Geral da República, baseado nas delações da Odebrecht, nas quais o deputado aparece na lista divulgada pelo ex-vice-presidente de Relações Institucionais da empreiteira, Claudio Melo Filho. Segundo a delação, Maia teria recebido R$ 350 mil como ajuda para sua campanha eleitoral de 2008. 

Já o senador Eunício Oliveira foi citado em três delações na Lava Jato. Uma delas acusa a empresa do senador de obter contratos de R$ 1 bilhão com a Petrobras. 
   
Entenda o caso
Em gravação feita em março deste ano, o dono da maior produtora de proteína do mundo, o empresário Joesley Batista, grava o já presidente Michel Temer em uma conversa comprometedora. Na gravação, Temer indica o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) como a melhor pessoa para tratar de assuntos do interesse de Joesley e sua empresa (o deputado, segundo O Globo seria, posteriormente, gravado recebendo uma mala com R$ 500 mil). Finalmente, o então presidente discute a questão do silêncio de Eduardo Cunha. Cunha e o operador Lúcio Funaro estariam recebendo uma mesada na prisão para se manter em silêncio. Temer então incentiva a prática: "Tem que manter isso, viu?".

Aécio
Joesley Batista ainda apresentou uma gravação que implica o senador tucano Aécio Neves. Em sua gravação, Aécio aparece pedindo R$ 2 milhões ao empresário, que entregaria o dinheiro a um primo do senador. A Polícia Federal filmou o encontro e rastreou o dinheiro da propina, em seguida, depositado na conta da empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).
  
A linha sucessória na história 
O vice-presidente já assumiu no país em sete ocasiões: Floriano Peixoto, sucedendo Deodoro da Fonseca; Nilo Peçanha, após a morte de Afonso Pena; Delfim Moreira, após a morte de Rodrigues Alves; Café Filho, após o suicídio de Vargas; João Goulart, após a renúncia de Jânio Quadros; José Sarney, após a morte de Tancredo Neves; Itamar Franco, depois do impeachment de Collor; e por fim Michel Temer. Mas, apenas uma vez, a linha sucessória foi além do vice-presidente. Isso ocorreu após o suicídio de Getúlio Vargas.

Com a morte de Vargas, Café Filho, então vice, assumiu a presidência, contudo, seu mandato durou pouco. Pressionado por setores da oposição, Café se afastou, alegando problemas de saúde. Com a saída de Café Filho, assume Carlos Luz, então presidente da Câmara. Carlos também não teve um mandato longo, com apenas três dias de governo, Carlos é deposto. A presidência caberia então, segundo a constituição da época, ao então vice-presidente do Senado: Nereu Ramos. Nereu iria segurar o posto até a posse de Juscelino Kubitscheck, recém eleito presidente da república.



04/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Destaques do dia: Indiciamento por morte de criança, coronavírus reativado e tataravó recuperada
Brasil: produção industrial despenca
Criança cai do 9º andar de edifício no bairro de São José
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco