Pernambuco.com
Pernambuco.com
Saúde Diabetes: gatos e cães também têm a doença Ficar atento aos sinais e seguir corretamente o tratamento é fundamental para garantir qualidade de vida ao animal com diabetes

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 22/11/2017 08:44 Atualizado em:

foto: Pixabay/ArtPyle
foto: Pixabay/ArtPyle
A diabetes ocorre por uma falha na produção de insulina, um hormônio gerado no pâncreas que é responsável por processar a glicose que entra no sangue. A consequência é impossibilidade de o organismo processar, da forma certa, a glicose e outros compostos orgânicos presentes nos alimentos e necessários para garantir a reprodução saudável das células e a obtenção de energia.
 
Os cães, independentemente da raça, são suscetíveis à diabetes – sendo mais comum entre aqueles de meia idade, idosos e cadelas. Os gatos também estão sujeitos a desenvolver a doença. Entretanto, a sua incidência é maior entre os machos castrados.

A manifestação da diabetes em animais é bem parecida com a dos humanos e exige cuidados e tratamentos específicos. A doença é caracterizada por dois tipos:

Tipo 1: (dependente de insulina): ocorre quando o próprio organismo se responsabiliza por destruir os depósitos onde produz a insulina. Os cães apresentam, na maioria dos casos, esse tipo de diabetes
 
Tipo 2: O pâncreas consegue liberar insulina, mas o organismo resiste a ela, não permitindo ao hormônio exercer suas funções corretamente. Este é o tipo mais frequente nos gatos. O sintoma mais comum é a poliúria, ou excesso de urina, pois os rins não conseguem mais absorver a glicose, e o animal passa a urinar mais que o normal. Outra característica dos pets com diabetes é a maior ingestão de água e, em casos mais extremos, o animal pode apresentar muito cansaço e fadiga.

Para obter sucesso no tratamento, é imprescindível que o tutor compreenda suas responsabilidades. A terapia com uma insulina idêntica a insulina canina é recomendada e constitui um dos pilares do tratamento do diabetes, mas a dieta e o estilo de vida (incluindo exercício) também influenciam no controle glicêmico.

O tratamento da diabetes pode ser dividido em duas etapas:
Estabilização: É determinada a dose correta de insulina e uma rotina diária adequada para o animal de estimação.
Manutenção: O pet é monitorado regularmente para acompanhar a evolução da sua diabetes e determinar as mudanças necessárias em seus requisitos de insulina.

“A meta do tratamento da diabetes é minimizar os sinais clínicos da doença, o risco de hipoglicemia e o desenvolvimento de complicações em longo prazo”, afirma Daniela
Baccarin, médica veterinária, associada da Comac (Comissão de Animais de Companhia do SINDAN – Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal) e gerente de
Produtos da unidade Pet da MSD Saúde Animal.

Os sintomas associados à diabetes são diversos, mas o mais importante é observar qualquer alteração de comportamento do animal. Ao menor sinal de que algo vai errado, leve-o
imediatamente ao médico veterinário. Quanto mais cedo for o diagnóstico, mais chances de sucesso terá o tratamento.


Segundo turno em PE: João Campos é eleito prefeito do Recife
Polícia Federal caça responsáveis por tentativa de ataque ao sistema do TSE
Apesar de empate em pesquisas, João Campos confia em vitória
Marília Arraes tem agenda intensa no dia que decide a eleição no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco