Pernambuco.com
Pernambuco.com
Solidariedade ONG lança campanha para manter programa de treinamento de cães-guias Com doações pela internet, será construída uma fabriqueta para produzir camisetas, canecas e bottons. A realização do sonho custa R$ 30 mil

Por: Correio Braziliense

Publicado em: 14/09/2015 16:14 Atualizado em:

Os cães da raça labrador são treinados, em média, por dois anos, antes de serem entregues a um cego: fila de espera com mais de 300 pessoas. Foto: Carlos Vieira/ CB/ D.A Press
Os cães da raça labrador são treinados, em média, por dois anos, antes de serem entregues a um cego: fila de espera com mais de 300 pessoas. Foto: Carlos Vieira/ CB/ D.A Press


Eles são lindos, dóceis e amáveis, mas não brincam em serviço. Agitados por natureza, os cães-guias desempenham com seriedade o trabalho de ser os olhos de deficientes visuais. O Distrito Federal é pioneiro no treinamento desses labradores com a finalidade de dar qualidade de vida aos cegos. Apesar da disposição de colaboradores e voluntários, o Projeto Cão-Guia de Cegos passa por problemas financeiros e, para garantir a continuidade do trabalho, lançou uma campanha. Com a ajuda de doadores, pretende montar uma pequena fábrica para produzir canecas, bottons, cartões e camisetas com a marca registrada do cão-guia. Hoje, esses produtos existem e são uma das principais fontes de renda da ONG. Mas a produção ocorre em pequena escala, com alto custo e de forma terceirizada.

A concretização do sonho de ter a própria fabriqueta nas dependências do Centro de Treinamento de Cães-Guias está próxima. Depende, porém, da boa vontade da população brasiliense. Até 26 de setembro, o projeto receberá doações %u2014 entre R$ 10 e R$ 5 mil %u2014 por meio de uma plataforma na internet. Pelo site www.kickante.com.br/campanhas/fabriqueta-do-cao-guia, é possível colaborar e ainda ser recompensado por isso. Entre as retribuições, o doador receberá produtos com o selo de qualidade cão-guia, ilustrações de artistas de Brasília, ensaio fotográfico pet e curso de obediência canina. Para transformar a sala, que hoje serve de depósito, o projeto precisa arrecadar R$ 30 mil. O valor engloba maquinário, mobiliário, suprimentos e a taxa cobrada pelo site.

%u201CO projeto representa para o cego três coisas: liberdade, segurança e independência%u201D, conta Lúcia Campos, 61 anos, coordenadora da iniciativa. A aposentada começou a atuar no Cão-Guia de Cegos em 2001 e está à frente da coordenação desde 2011. Ela lembra a satisfação que sente ao ver o sorriso de cegos que renovam as esperanças a ganhar um amigo fiel. Ao todo, foram entregues 43 cães-guias para deficientes visuais de todo o Brasil, mas o número é muito pequeno diante das nais de 300 pessoas que estão na fila de espera.

Tudo começou quando a Associação Brasiliense de Ações Humanitárias (ABA) firmou uma parceria com o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF). %u201CÀ época, três militares foram para o Canadá fazer o curso de treinamento de cães-guias. Quando eles retornaram, já trouxeram quatro cachorros para o Brasil%u201D, explica Lúcia.

Rhaldney Santos entrevista João Campos (PSB), candidato à Prefeitura do Recife
Rhaldney Santos entrevista o prefeito reeleito de Petrolina, Miguel Coelho
Aos 60 anos, morre Diego Maradona
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão #274 A dupla-fecundação das angiospermas
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco