Pernambuco.com
Pernambuco.com
Ajuda Donos de cadelinha com doença degenerativa arrecadam verba para tratamento Sem mexer as patas traseiras, Diamanda se locomove com a ajuda de uma "bike" especial para cachorros

Por: Estado de Minas

Publicado em: 10/09/2015 08:49 Atualizado em:

Projeto pretende arrecadar R$ 16 mil. Foto: Arquivo Pessoal
Projeto pretende arrecadar R$ 16 mil. Foto: Arquivo Pessoal

Os donos de uma cadelinha de 10 anos diagnosticada com mielopatia – doença degenerativa rara que paralisa os membros do corpo – criaram uma página na internet para arrecadar recursos e bancar o tratamento dela. A nova possibilidade de dar mais tempo à vida de Diamanda seriam aplicações de células tronco. Dos R$ 16,5 mil que o projeto pretende arrecadar, as contribuições já somavam quase R$ 13 mil no momento da publicação deste texto: a campanha segue até 26/9.
 
Já sem o movimento das patas traseiras, Diamanda se locomove com a ajuda de uma bicicleta. No futuro, a doença atingirá também os órgãos vitais dela, dizem os veterinários. Além desta campanha, o custo mensal para manter o tratamento da doença é de R$ 1 mil.

 
Há um ano, os paulistanos Josimas Ramos e Andreza Poitena descobriram que Diamanda estava doente. Após levar a cadela a diversos veterinários que não chegaram a nenhum diagnóstico, Andreza começou a estudar os sintomas por conta própria, até que chegou na hipótese de mielopatia. Os primeiros sinais da doença foram a paralisia (primeiro parcial e depois integral) das duas patas traseiras.

“Li muitos artigos e descobri um tratamento holistico com remédios manipulados pra deixar a doença mais lenta. Foi aí que encontrei uma veterinária holística em Florianopolis, que faz consultoria on-line e é ela quem cuida da Diamanda”, diz.

Células-tronco podem dar mais tempo de vida à cadelinha. Foto: Laís Gouveia/Tanto Mar Fotografia/Divulgação
Células-tronco podem dar mais tempo de vida à cadelinha. Foto: Laís Gouveia/Tanto Mar Fotografia/Divulgação
 
Durantes as manhãs, a cachorrinha faz fisioterapia, acupuntura, massagens, pilates e outros exercícios – muitos deles com a supervisão dos donos, que aprenderam com os profissionais. Como mora a 50 metros da praia, Andreza conta que todos os dias leva Diamanda para se exercitar. A dona da cachorrinha ressalta ainda que o mais importante do tratamento é sempre estimulá-la, porque a doença afeta diretamente os reflexos neuro musculares. “À noite também a levamos para passear, para que ela possa caminhar com a bike. O mais importante é nunca deixar que fique preguiçosa”, explica.
 
Os especialistas chegaram a dar um prazo de vida de menos de oito meses a Diamanda. Contudo, após um ano, ela ainda está entre eles. “Ela é muito dócil e emocional. Quando foi aprovada a possibilidade de usar as células tronco, quase não acreditamos. Saímos correndo pela casa de tanta felicidade”, diz Andreza emocionada. Confiante e esperançosa, ela espera que dê tudo certo com o novo tratamento, mesmo sabendo que o processo é lento e a melhora gradativa.


Rhaldney Santos entrevista o candidato à prefeitura do Recife Coronel Feitosa (PSC)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #162 Anelídeos: segmentação corporal e parapódios
De 1 a 5: Dicas para a sua bicicleta ser seu transporte diário
Ministério da Saúde autoriza volta parcial da torcida na Série A
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco