Pernambuco.com
Pernambuco.com
Pecão Aves são mansas quando há paciência e carinho por parte do dono A docilidade das aves estão associadas não só àquelas raças mais indicadas para o convívio social, em geral, os papagaios, araras e calopsitas

Por: Marta Vieira - Estado de Minas

Publicado em: 16/07/2015 15:52 Atualizado em:

Calopsita é uma das raças mais indicadas para o convívio social. Foto: Luiz Mariano/Flickr/Divulgação
Calopsita é uma das raças mais indicadas para o convívio social. Foto: Luiz Mariano/Flickr/Divulgação
O cachorro conquistou o título de melhor amigo do homem, mas nada mais justo do que dividir o posto com as aves. A história da humanidade dá provas suficientes da amizade delas e dos serviços que têm prestado desde a Antiguidade, embora nem sempre reconhecidos. Revoadas sobre o Nilo eram observadas pelos egípcios para se prevenir em épocas de cheia do rio. O imperador romano Julio Cesar e seu Exército surpreenderam legiões de inimigos, valendo-se das informações compartilhadas com seus generais graças ao trabalho dos pombos-correio.

À época do descobrimento do Brasil, os índios apresentaram ao Velho Mundo araras e papagaios amigos, que homenageavam em majestosos cocares e armas decoradas. Impressionados, os europeus transformaram a arara-azul e a arara-canindé em símbolos de status social. A partir dos estudos do naturalista inglês Charles Darwin sobre os formatos dos bicos das aves e como isso interferia na alimentação deles surgiram ferramentas e instrumentos mecânicos, a exemplo de tesouras e pinças.

A ligação com esses animais, que inspiraram até os sonhos do homem, se fortaleceu e ganhou a educação ambiental como impulso, na avaliação do biólogo Ramon Palhares, do Vale Verde Parque Ecológico, instalado em Betim, na Grande Belo Horizonte. Ele e as equipes de cuidadores que coordena colecionam provas diárias de amizade com os bichos durante o trabalho.

A aproximação e a docilidade das aves estão associadas não só àquelas raças mais indicadas para o convívio social, em geral, os papagaios, araras e calopsitas. “A mesma proximidade que temos com os cães podemos ter com as aves. O que diferencia é a forma de manejo desses animais. Eles ficam mansos também quando há paciência e carinho da parte do dono”, afirma Ramon.

Um bom começo para relações mais afetivas é a interatividade com as aves, o que os visitantes do parque mais procuram, independentemente da idade, segundo o biólogo. O viveiro encantado dos coloridos lóris é um dos espaços do empreendimento criado para promover essa experiência, capaz de levar a sensações difíceis de descrever em palavras. No recinto, as pessoas alimentam as aves e podem ser tocadas por elas.

Ramon sabe bem o que é ser amigo das aves. O grou-coroado Xodó, de 4 anos, recebeu os primeiros cuidados, ainda na casca do ovo, das mãos do biólogo. A amizade surgiu e cresceu com tanta intensidade que a chamada ave-do-paraíso passou a exigir atenção diária, usando o bico para dar leves cutucadas no amigo, sem provocar dor. Xodó faz questão de cumprimentar Ramon todos os dias, não dispensa as brincadeiras diárias e o cafuné em sua farta coroa.

Segundo turno em PE: João Campos é eleito prefeito do Recife
Polícia Federal caça responsáveis por tentativa de ataque ao sistema do TSE
Apesar de empate em pesquisas, João Campos confia em vitória
Marília Arraes tem agenda intensa no dia que decide a eleição no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco