Pernambuco.com
Pernambuco.com
Achados e perdidos Seu bichinho sumiu? Saiba como procurá-lo com eficiência Primeira providência é fazer uma ronda pelas imediações do desaparecimento do animal. Para os mais prevenidos, a tecnologia pode ajudar na identificação do bichinho

Por: Juliana Freire

Publicado em: 08/06/2015 14:08 Atualizado em: 08/06/2015 17:15

A cadelinha Linda desapareceu há quatro meses de um terreno no Alto da Sé, em Olinda. Foto: Arquivo Pessoal
A cadelinha Linda desapareceu há quatro meses de um terreno no Alto da Sé, em Olinda. Foto: Arquivo Pessoal

Ao voltar do trabalho, escola ou da faculdade, você já espera ser recebido com abanar de rabo e latidos pelo seu cão. Só que ao entrar pela porta, você percebe algo de estranho- o silêncio. Procura pela casa, chama, grita e nem sinal do bichinho. Ele fugiu. Nesse momento, o importante é não se desesperar, principalmente se ele tiver o hábito de passar um tempo na rua. Caso ele demore mais que o comum, o tutor deve começar as buscas.

A estudante Roberta Marques, de 26 anos, adotou uma cadela da raça labrador de uma amiga. A cachorrinha, batizada de Linda, vivia junto com dois cães adultos, em um terreno sem muros da família de Roberta, no Alto da Sé, em Olinda. Roberta construiu uma casinha de madeira para eles morarem e os alimentava regularmente, mas certo dia, ao voltar de uma ida ao petshop com outro animal, percebeu que os cães haviam fugido do terreno. Horas depois, os labradores adultos voltaram, no entanto, Linda está desaparecida há 4 meses.

Se você está passando por uma situação semelhante, confira as dicas abaixo e aprenda qual a forma mais eficiente de procurar um cão perdido e como se prevenir.

Cartazes comunicam o desaparecimento (e o aparecimento) do pet. Foto: Flickr/Reprodução
Cartazes comunicam o desaparecimento (e o aparecimento) do pet. Foto: Flickr/Reprodução

Onde procurar

O tutor deve começar as buscas nas ruas vizinhas, perguntando aos moradores se viram o cão. Andar pelo bairro, divulgando fotos do animal, ir em clínicas veterinárias e nos pet shops informando que seu animal fugiu e que avisem caso ele apareça. O dono do animal também pode acionar a Seda (Secretária Executiva de Direitos dos Animais) para ajudar na divulgação e nas buscas do animal perdido pela localidade.

Internet

O tutor pode publicar no seu perfil nas redes sociais um anúncio de "procura- se", para ser compartilhado pelos amigos até chegar a alguém que tenha encontrado o pet. Segundo a assessoria da Seda, o meio mais eficiente ainda continua sendo a divulgação através de cartazes, expostos em lojas e clínicas veterinárias, além da postagem na internet. Além disso, algumas ONGs já disponibilizam nas suas páginas na internet seções para animais perdidos. Caso o dono ofereça recompensa as chances de devolução do animal pode aumentar.

A página do Pernambuco.cão oferece um espaço para o tutor divulgar uma foto e as caractéristicas do seu bichinho de estimação perdido. Basta acessar o campo " Pets Perdidos" e preencher um cadastro simples com nome do responsável, email, informaçõe e foto do animal.

Forma mais simples e tradicional de identificar o cão ainda é com informações na coleira Foto: Flickr/Reprodução
Forma mais simples e tradicional de identificar o cão ainda é com informações na coleira Foto: Flickr/Reprodução

Prevenção

De acordo com a assessoria da Seda, alguns cuidados devem ser tomados para evitar que seu animal desapareça; Manter os portões fechados, acostumar o animal a sair sempre com a guia (coleira), ter cuidado ao entrar e sair com seu veiculo (momento em que o animal pode aproveitar para fugir).

E, ainda:

Coleira com identificação – A forma mais simples e tradicional de identificar o cachorro é colocando suas informações gravadas em um pingente preso a coleira. Na plaquinha deve conter, no mínino, o nome do animal, do tutor e telefone para contato. No Recife, as petshops vendem pingentes estilosos, que podem ser coloridos e no R$ 30 a 32, 90. Já as banhadas a ouro ou a prata enfeitadas com uma pedrinha de zirconia, custam entre R e R$ 49,90.

Microship- Mesmo sem a função de localizador, o microship pode ser uma forma de garantir a identificação do animal, caso ele seja encontrado por outra pessoa. O dispositivo é implantado numa parte superficial da pele do animal, geralmente entre as escápulas. Os dados contidos no pequeno dispositivo trazem o nome do cão, sexo, raça, idade, proprietário e cartão de vacinação, e podem ser consultados por meio de um leitor. Algumas petshops oferecem esse serviço (entre R$ 90 e R$ 95 . A implantação também pode ser feita gratuitamente pela Prefeitura do Recife, basta o tutor entrar em contato com Seda e agendar dia e horário.

SERVIÇO
Secretária Executiva Defesa dos Animais- (SEDA)
Rua dos Palmares- 550, Santo Amaro.
Telefone:  3355-8639

Centro de Vigilância Ambiental- (CVA)
Av. Antônio da Costa Azevedo- 1135, Peixinhos.
Telefone: 3355-7704




Segundo turno em PE: João Campos é eleito prefeito do Recife
Polícia Federal caça responsáveis por tentativa de ataque ao sistema do TSE
Apesar de empate em pesquisas, João Campos confia em vitória
Marília Arraes tem agenda intensa no dia que decide a eleição no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco