Pernambuco.com
Pernambuco.com
Brigas Conheça as razões dos conflitos entre cães e gatos "O gato é arisco e o cão é mais dócil. Mesmo assim, não existe uma regra dizendo que eles não se dão bem", afirma a veterinária Raquel Quirino

Por: Juliana Freire

Publicado em: 17/03/2015 21:44 Atualizado em: 17/03/2015 22:00

Mesmo com a imagem de inimigos consolidadas em filmes e desenhos animados, na vida real, os gatos e os cães podem ser verdadeiros amigos. Foto: jeffreyw/Flickr/Reprodução
Mesmo com a imagem de inimigos consolidadas em filmes e desenhos animados, na vida real, os gatos e os cães podem ser verdadeiros amigos. Foto: jeffreyw/Flickr/Reprodução
Quem cria muitos cães e gatos provavelmente sabe que, vez ou outra, alguns conflitos acontecem. No entanto, pode não se dar conta de que seu comportamento pode favorecer bastante esses desentendimentos.

Mesmo com a imagem de inimigos consolidadas em filmes e desenhos, na vida real, os gatos e os cães podem ser verdadeiros amigos. De acordo com a veterinária especialista em bem-estar e comportamento animal Raquel Quirino, as brigas entre essas especies acontecem por diferença de personalidade. “O gato é arisco e o cão é mais dócil. Mesmo assim, não existe uma regra dizendo que eles não se dão bem. Eles precisam ser familiarizados um com o outro aos poucos.”

Já entre os cães, as brigas costumam acontecer por motivos como dominação, reprodução, ciúme de objetos e do tutor. Não existe raças de cães mais violentas que outras, o que se sabe é que qualquer raça pode se tornar agressiva quando se sente ameaçada.

Os cães têm um sentimento de hierarquia muito forte que é necessário para manter a sua organização em grupo. Na casa, o tutor é o líder maior, que oferece abrigo, água e comida, e o cão mais próximo dele tende a ser respeitado como o chefe dos outros cães. Para ser o animal dominante não precisa ser o mais forte, e sim, o mais esperto e com iniciativa.

Quando o cachorro dominante fica mais velho, alguns cães jovens tentam pegar seu posto e, aí, começam as brigas. Além disso, quando o dono está acariciando um cão, por exemplo, e para de fazer isso assim que outro animal chega, o primeiro cachorro vai ficar enciumado e pode criar antipatia por outros do grupo.

Para a dentista Ana Claúdia Castanhede, de 49 anos, tutora de três cães, criar um cão dá o mesmo trabalho que criar um filho. “Parecem três crianças. São da mesma espécie, mas possuem comportamentos diferentes”, conta. “Ted, o poodle de 12 anos, é o mais velho e conseguiu uma posição de liderança. Já Kika, também um poodle de 7 anos, e Bob, de 2 anos, que não tem raça definida, seguem os comandos deles. Os três só brigam por atenção, mas não chegam a ser violentos”, explica a dentista.

Caso os cães briguem feio, é importante que o tutor não tente separar, já que o cão agressivo pode se voltar contra ele. “Tudo é questão de educação. O tutor deve adestrar os cães e se possível castrar para evitar disputas e brigas mais sérias, como por reprodução”, explica a veterinária Raquel Quirino.

TAGS: gato cao briga
Segundo turno em PE: João Campos é eleito prefeito do Recife
Polícia Federal caça responsáveis por tentativa de ataque ao sistema do TSE
Apesar de empate em pesquisas, João Campos confia em vitória
Marília Arraes tem agenda intensa no dia que decide a eleição no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco