Pernambuco.com
Pernambuco.com
França Cadela sobrevivente vira mascote oficial do jornal Charlie Hebdo A cocker spaniel Lila estava na sala onde ocorreu o ataque terrorista que matou 12 pessoas

Publicado em: 15/01/2015 17:32 Atualizado em: 15/01/2015 18:56

 (Foto: Anais Ginori/Reprodução do Twitter)

Entre os sobreviventes do massacre ao jornal francês Charlie Hebdo foi encontrada Lila, uma pequena cocker spaniel que tinha o costume de passear pelas salas da redação. A cachorra era querida pelos funcionários do jornal e pelos visitantes. Lila gostava de ficar entres os cartunistas que, de vez em quando,  ofereciam uns petiscos a ela.

No dia do ataque terrorista, Lila estava ao lado do cartunista Cabu, uma das 12 vítimas dos irmão Kouachi e tido como seu favorito. A cachorra estaria entre os pés dos cartunistas durante a reunião de pauta, quando o massacre começou.

Em entrevista ao Le Monde, a colunista policial do semanário, Sigolène Vinson, que presenciou o massacre, afirmou que a “cachorra corria de mesa em mesa durante a chacina”. Quando os barulhos cessaram, "ouvi Lila, os passinhos de Lila, passando ao lado de Mustapha (outro funcionário)”, contou Sigolène, que acrescentou: "Lila foi poupada, talvez porque ela é uma mulher.", em referência ao fato de os terroristas terem dito que não atiravam em mulheres.

A cachorra sobrevivente foi "promovida" a mascote oficial pela direção do jornal Charlie Hebdo.



De 1 a 5: Cuidados na saúde ocular das crianças
Rhaldney Santos entrevista a ginecologista Altina Castelo Branco
Pantanal: o pior incêndio da história
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #Aulão: tudo sobre botânica
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco