Pernambuco.com
Pernambuco.com
França Cadela sobrevivente vira mascote oficial do jornal Charlie Hebdo A cocker spaniel Lila estava na sala onde ocorreu o ataque terrorista que matou 12 pessoas

Publicado em: 15/01/2015 17:32 Atualizado em: 15/01/2015 18:56

 (Foto: Anais Ginori/Reprodução do Twitter)

Entre os sobreviventes do massacre ao jornal francês Charlie Hebdo foi encontrada Lila, uma pequena cocker spaniel que tinha o costume de passear pelas salas da redação. A cachorra era querida pelos funcionários do jornal e pelos visitantes. Lila gostava de ficar entres os cartunistas que, de vez em quando,  ofereciam uns petiscos a ela.

No dia do ataque terrorista, Lila estava ao lado do cartunista Cabu, uma das 12 vítimas dos irmão Kouachi e tido como seu favorito. A cachorra estaria entre os pés dos cartunistas durante a reunião de pauta, quando o massacre começou.

Em entrevista ao Le Monde, a colunista policial do semanário, Sigolène Vinson, que presenciou o massacre, afirmou que a “cachorra corria de mesa em mesa durante a chacina”. Quando os barulhos cessaram, "ouvi Lila, os passinhos de Lila, passando ao lado de Mustapha (outro funcionário)”, contou Sigolène, que acrescentou: "Lila foi poupada, talvez porque ela é uma mulher.", em referência ao fato de os terroristas terem dito que não atiravam em mulheres.

A cachorra sobrevivente foi "promovida" a mascote oficial pela direção do jornal Charlie Hebdo.



Segundo turno em PE: João Campos é eleito prefeito do Recife
Polícia Federal caça responsáveis por tentativa de ataque ao sistema do TSE
Apesar de empate em pesquisas, João Campos confia em vitória
Marília Arraes tem agenda intensa no dia que decide a eleição no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco