Diario de Pernambuco
Busca

GUERRA

ONU diz que ajuda a Gaza está totalmente paralisada

Israel cortou os principais pontos de passagem de ajuda humanitária para a Faixa de Gaza

Publicado em: 10/05/2024 11:41 | Atualizado em: 10/05/2024 11:53

Tendas onde a maioria dos civis estão vivendo na Faixa de Gaza (Crédito: AFP)
Tendas onde a maioria dos civis estão vivendo na Faixa de Gaza (Crédito: AFP)
Nesta sexta-feira, o, chefe do gabinete da Agência Humanitária das Nações Unidas (OCHA), Andrea De Domenico, afirmou que o fechamento por Israel dos principais pontos de passagem para a Faixa de Gaza cortou as entradas de ajuda, em especial de combustível, e tornou as operações humanitárias praticamente impossíveis.
 
"Perdemos a principal porta de entrada da ajuda humanitária Kerem Shalom", disse De Domenico à agência France-Presse (AFP).
 
O governo israelita encerou a passagem de Kerem Shalom e também do posto fronteiriço entre Gaza e o Egito, por onde passa o combustível. Apesar das forças de Israel dizer ter reaberto Kerem Shalom na quarta-feira, De Domenico afirmou que a entrega de ajuda continua extremamente difícil e paralisou completamente as operações humanitárias.
 
De acordo o chefe da OCHA, antes mesmo do fechamento da passagem de Rafah, as Nações Unidas buscavam há semanas outros meios de transporte de combustível para o território palestino, num contexto de profunda preocupação com a perspectiva de uma ampla operação terrestre na cidade de Rafah, que abriga 1,4 milhão de pessoas, segundo a ONU.
 
O chefe da Organização Mundial da Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, já alertou na quarta-feira que os hospitais no sul de Gaza tinham apenas combustível para três dias.  
A diretora da agência da ONU para a infância (UNICEF), Catherine Russell, também advertiu hoje que se o combustível não fosse permitido rapidamente as consequências serão sentidas quase imediatamente.
 
Já o governo de Gaza, controlado pelo Hamas, acusou hoje que nos últimos dois dias Israel impediu a entrada de mais de 400 caminhões de ajuda humanitária e ainda a saída de 160 pacientes oncológicos e feridos graves para receberem tratamento médico.
 
Mas, o Departamento de Defesa dos EUA adiantou nesta sexta-feira que continua à espera que as condições meteorológicas no Mediterrâneo melhorem para que seja posicionado o porto temporário construído pelos norte-americanos para aumentar a ajuda a Gaza, que foi finalizado esta semana. O projeto tem dois cais, um flutuante onde ficarão atracados os navios carregados de ajuda e outro denominado Trident, que será a "calçada" ao longo da qual os caminhões poderão atravessar para levar a ajuda para o território.