Diario de Pernambuco
Busca

INCLUSÃO NA IGREJA

Papa envia carta a padre pró-LGBT: 'Jesus era próximo de todos'

Publicado em: 05/08/2022 16:30

 (Foto: AFP)
Foto: AFP
Em busca de uma Igreja Católica cada vez mais inclusiva, o papa Francisco enviou uma carta ao sacerdote James Martin, padre jesuíta conhecido por defender a comunidade LGBTQIA+, incentivando-o a continuar seu trabalho. "Encorajo todos vocês a continuar trabalhando na cultura do encontro, que encurta as distâncias e nos enriquece com as diferenças, à maneira de Jesus, que se fez próximo de todos", escreveu Francisco.

A correspondência foi uma resposta ao envio de um panfleto de divulgação do evento "Outreach", conferência anual do Ministério Católico LGBTQ realizada em Fordham University, nos Estados Unidos, entre 24 e 25 de junho. Na carta com data de 20 de julho e escrita em espanhol, Francisco parabenizou o padre Martin por poder fazer o evento acontecer este ano pessoalmente, após dois anos de pausa devido à pandemia de COVID-19. O papa ainda destaca a importância dos encontros nas relações humanas.

"Na verdade, a pandemia nos fez buscar alternativas para encurtar as distâncias. Também nos ensinou que certas coisas são insubstituíveis, entre elas a possibilidade de nos olharmos ‘cara a cara’ mesmo com quem pensa diferente ou com aqueles cujas diferenças parecem nos separar ou mesmo nos confrontar", escreveu o papa. Francisco segue a carta observando que, "quando superamos as barreiras, percebemos que há mais que nos une do que nos separa".

Outras correspondências
 
Essa é a terceira vez que o padre Martin e o papa Francisco trocam correspondências. A primeira vez foi em julho de 2021, para divulgar o evento "Outreach 2021". Na resposta, o pontífice encorajou Martin a continuar pregando a inclusão, a compaixão e a ternura, e afirma que o sacerdote prega o estilo de Deus, sendo um sacerdote para todos: "Deus está próximo e ama cada um de seus filhos. Seu coração está aberto a todos."

Em maio de 2022, padre Martin enviou uma carta a Francisco pedindo ajuda para responder perguntas mais comuns entre católicos LGBTQIA e suas famílias. Novamente, o papa explicou que: "Deus é Pai e não repudia nenhum de seus filhos" e que "o estilo de Deus é proximidade, misericórdia e ternura".

Papa da inclusão
 
Francisco é o primeiro papa do continente americano e pertencente à ordem jesuíta e a ser eleito chefe da Igreja Católica. Desde o início de seu pontificado, em 2013, Francisco se mostrou aberto à inclusão da comunidade LGBTQIA. A primeira declaração foi em julho de 2013, onde declarou "Se um gay busca Deus, quem sou eu para julgar", durante um voo para Roma. O que levou a uma grande reprovação por parte dos membros mais conservadores da igreja.

Em maio de 2018, o papa disse "Deus te ama assim" a um homem gay eu havia sido vítima de pedofilia no Chile. Em janeiro deste ano, Francisco pediu aos pais que não condenem, mas apoiem seus filhos gays.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
WIDGET PACK - Sistema de comentários