Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CONFLITO

Novos ataques israelenses contra o principal porto da Síria

Por: AFP

Publicado em: 28/12/2021 16:32

 (Foto: SANA / AFP
)
Foto: SANA / AFP
Ataques aéreos israelenses provocaram graves danos nesta terça-feira (28) ao porto sírio de Latakia, na segunda ofensiva do mês contra a infraestrutura crucial para o comércio do país.

Durante a madrugada, "o inimigo israelense executou uma agressão aérea com mísseis a partir do Mediterrâneo... contra o campo de contêineres do porto de Latakia", informou a agência estatal SANA, que citou uma fonte militar.

A agência não informou vítimas no ataque, mas destacou que provocou incêndios e "grande dano material". Vários edifícios próximos ao porto, incluindo uma clínica e lojas, foram atingidos.

Desde o início da guerra civil na Síria em 2011, Israel executou centenas de ataques aéreos no país vizinho, principalmente contra posições do governo, forças apoiadas pelo Irã e combatentes do movimento Hezbollah.

De acordo com a agência SANA, que exibiu imagens dos bombeiros tentando controlar um grande incêndio, os contêineres atacados armazenavam "óleo e peças de reposição para carros e outros veículos".

O governador de Latakia, Ismail Hilal, anunciou que os bombeiros controlaram o incêndio e iniciaram o trabalho para resfriar o local.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), uma ONG com sede em Londres e que tem uma ampla rede de fontes na Síria, afirmou que os contêineres armazenavam "armas e munições", mas informou que "não está claro" se eram procedentes do Irã.

"O bombardeio provocou violentas explosões que foram ouvidas na cidade de Latakia e arredores", afirmou o OSDH.

Em 7 de dezembro, Israel executou ataques contra um carregamento de armas iranianas no porto de Latakia, oeste da Síria, sem provocar vítimas, segundo a ONG.

Na ocasião, a agência SANA afirmou que o bombardeio atingiu contêineres comerciais.

"Não acreditamos que situações desse tipo contribuam para a estabilidade do Oriente Médio ou da Síria", disse o vice-representante da Rússia nas Nações Unidas, Dimitri Polianski. 

"Jamais escondemos que não toleramos esse tipo de comportamento", disse a repórteres.

A Rússia, principal aliada do regime sírio ao lado do Irã, "tratará dos problemas bilateralmente com Israel", acrescentou Polianski.

- Sem comentários -
"Não comentamos informações da imprensa estrangeira", declarou à AFP nesta terça-feira uma fonte do exército israelense.

Israel raramente comenta os ataques que realiza em seu vizinho do norte, com o qual permanece oficialmente em guerra, mas confirmou centenas deles desde 2011, quando começou o conflito civil na Síria.

De acordo com um relatório do exército israelense, em 2020 o país atacou quase de 50 alvos naquele país.

Israel defende as operações e afirma que pretende conter a crescente influência do Irã, principal aliado do regime sírio, ao qual fornece ajuda política, econômica e militar desde o início da guerra em 2011.

Recentemente, o estado hebreu intensificou os bombardeios na Síria. Em 3 de novembro atacou depósitos de armas e munições nas proximidades de Damasco e no final de outubro matou cinco combatentes vinculados ao Irã também perto da capital, de acordo com o OSDH.

A ONG afirma que as ações de Israel provocaram 130 mortes, incluindo cinco civis e 125 combatentes, desde o início do ano na Síria.

Muitos, 57, faleceram em um bombardeio em 13 de janeiro de 2021 no leste da Síria, o mais violento até agora.

Nesta guerra às sombras contra o Irã, Israel também executou atos de sabotagem dentro da República Islâmica contra o programa nuclear de Teerã.

O conflito civil na Síria deixou quase meio milhão de mortos desde o início em 2011.

Em 2021, esta guerra provocou 3.746 mortes, de acordo com o OSDH, uma redução significativa na comparação com o ano anterior e o menor balanço desde 2011.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Segundo a ONU, 2021 foi um dos sete anos mais quentes da História
Manhã na Clube: entrevistas com Leonardo Péricles e Dr. Heitor Albanez
Fortuna dos 10 mais ricos dobrou com a Covid
Supervacinada: Rafaela inaugura a fase da imunização de crianças contra a Covid no Recife
Grupo Diario de Pernambuco