Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

COLÔMBIA

Acordos de Paz da Colômbia serão examinados no Conselho de Segurança da ONU

Por: AFP

Publicado em: 14/10/2021 10:06

 (Foto: Juan BARRETO / AFP)
Foto: Juan BARRETO / AFP
O Conselho de Segurança da ONU examina nesta quinta-feira (14) os avanços dos Acordos de Paz na Colômbia, com base em um relatório do secretário-geral, Antonio Guterres, que recorda ao governo deste país que persistem "desafios consideráveis" com o agravamento das condições de segurança em várias regiões.

Pouco antes do aniversário de cinco anos da assinatura dos Acordos de Paz entre o governo da Colômbia e a ex-guerrilha das FARC, e na reta final do mandato do presidente Iván Duque, esta revisão servirá de alerta sobre os desafios que complicam sua implementação.

O relatório destaca a violência "desproporcional" nos territórios com populações indígenas e afro-colombianas, em particular nos departamentos de Antioquia, Bolívar, Cauca, Chocó, Córdoba e Nariño.

Embora o processo de paz colombiano continue sendo "uma fonte de inspiração para o mundo", nem a sociedade colombiana nem a comunidade internacional "devem ignorar os enormes desafios e fatores de risco" que enfrenta sua consolidação, alerta Guterres.

Além do representante especial e chefe da Missão de Verificação da ONU na Colômbia, Carlos Ruiz Massieu, e a vice-presidente e chanceler colombiana, Marta Lucía Ramírez, a sessão do Conselho terá a presença de representantes da sociedade civil.

A "forma desigual" de aplicação dos dispositivos sobre as garantias de segurança e a ausência do Estado nas regiões que sofreram os estragos do conflito podem colocar em risco os Acordos de Paz, segundo o relatório elaborado pela ONU e que cobre o período entre 26 de junho e 24 de setembro.

Durante o período, 15.200 pessoas precisaram fugir, o que elevou o número de deslocados no decorrer do ano a 57.420.

Além disso, outras 46.321 pessoas foram confinadas à força em 2021, 96% delas indígenas e afro-colombianos, com um balanço de pelo menos 38 mortes.

A violência também continua afetando os guerrilheiros que entregaram as armas. Ao menos 14 foram assassinados, o que eleva a 292 o total de mortos desde a assinatura dos acordos, e muitos foram obrigados a fugir por ameaças, que também afetam suas famílias.

Ao mesmo tempo, o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) recebeu informações sobre o assassinato de 43 ativistas dos direito humanos.

Embora o acordo de paz tenha reduzido consideravelmente a violência, dissidências das FARC, a ELN (último grupo de guerrilha reconhecido na Colômbia) e grupos de narcotraficantes de origem paramilitar alimentam uma nova onda de violência por suas disputas por receitas do tráfico de drogas, mineração ilegal e extorsão.

O relatório pede que o governo Duque não poupe esforços para acelerar o acesso dos ex-guerrilheiros à terra e à moradia e que tanto estes como mulheres, indígenas e afrodescendentes possam participar do processo de tomada de decisões para garantir igualdade de acesso às oportunidades de trabalho e medidas de proteção.

Isto é ainda mais urgente com a proximidade das eleições presidenciais de março e as legislativas de maio. Nas regiões afetadas pelo conflito foram criadas 16 novas circunscrições eleitorais, algo considerado um "marco fundamental".

Guterres também ressalta a importância de garantir recursos adequados a todas as partes do acordo: apenas 65% do orçamento foi gasto entre 2017 e 2020.

No ritmo atual, "a implementação levará 26 anos e não os 15 originalmente planejados", adverte.
TAGS: onu | colômbia |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Morreu James Michael Tyler, o Gunther de Friends
Manhã na Clube: entrevistas com Alberes Lopes, Antônio César Cruz e Almir Reis
Destaque do Náutico, meia Jean Carlos completa 100 jogos com a camisa alvirrubra
Baixas na equipe de Guedes
Grupo Diario de Pernambuco