Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

POLÍTICA

União Africana anuncia suspensão imediata do Mali após segundo golpe de Estado

Por: AFP

Publicado em: 02/06/2021 08:47

 (Foto: Michele Cattani/AFP)
Foto: Michele Cattani/AFP
A União Africana (UA) anunciou a suspensão do Mali com efeito imediato e ameaçou adotar sanções, após o segundo golpe de Estado militar em nove meses neste país da região do Sahel.

O golpe de Estado no Mali - país crucial para a estabilidade do Sahel ante a propagação de grupos extremistas - provocou muita preocupação na comunidade internacional.

A UA decidiu "suspender imediatamente a República do Mali de sua participação em todas as atividades da União Africana, seus órgãos e instituições, até que se restabeleça uma ordem constitucional normal no país", afirma o Conselho de Paz e Segurança (PSC) da organização no comunicado.

A decisão da UA segue a da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO), que também anunciou a suspensão do Mali de suas instituições.

A UA fez um apelo aos militares malineses para que "com urgência e incondicionalmente retornem a seus quartéis e se abstenham de qualquer interferência futura no processo político do Mali".

Também pediu que se estabeleçam as condições para o retorno a uma transição democrática "sem obstáculos, transparente e rápida".

"Em caso contrário, o Conselho não hesitará em impor sanções seletivas e outras medidas punitivas" contra os que impedem a transição, completa o texto.

O Mali sofreu dois golpes de Estado em nove meses.

Em 18 de agosto de 2020, o presidente Ibrahim Boubacar Keita, acusado de corrupção e de não atuar para combater a falta de segurança, foi derrubado após vários meses de manifestações contra o governo.

A UA suspendeu o país na ocasião. Mas a organização continental retirou a medida no início de outubro para não punir a população, depois que a junta se comprometeu com uma transição para um governo civil em um prazo de 18 meses.

Em 15 de abril de 2021, as autoridades de transição anunciaram eleições presidenciais e legislativas para fevereiro e março de 2022.

Em maio, no entanto, os militares, descontentes com a composição de um governo decidido após um movimento de protesto cada vez maior, prenderam o presidente, Bah Ndaw, e o primeiro-ministro, Moctar Ouane. Os dois foram levados para a base militar de Kati, perto de Bamako.

O Tribunal Constitucional declarou como chefe de Estado e presidente do governo de transição o coronel Assimi Goita, oficializando desta maneira o golpe de Estado.

Isto gerou dúvidas sobre a transição civil e a celebração de eleições em 2022.

A junta militar assegurou que vai respeitar o calendário, mas que pode estar sujeito a mudanças. O Tribunal Constitucional afirmou que Goita presidirá a transição até o fim.

Estados Unidos e França, ex-potência colonial, ameaçaram adotar sanções como resposta ao segundo golpe.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco