Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PANDEMIA

Jornal japonês que patrocina Jogos Olímpicos defende seu cancelamento

Por: AFP

Publicado em: 26/05/2021 13:37 | Atualizado em: 26/05/2021 13:44

 (Em um editorial, o jornal pede ao primeiro-ministro Yoshihide Suga que faça uma "avaliação tranquila e objetiva da situação para tomar a decisão de cancelar as Olimpíadas de verão". Foto: Behrouz MEHRI / AFP
)
Em um editorial, o jornal pede ao primeiro-ministro Yoshihide Suga que faça uma "avaliação tranquila e objetiva da situação para tomar a decisão de cancelar as Olimpíadas de verão". Foto: Behrouz MEHRI / AFP
Patrocinador oficial dos Jogos Olímpicos, o jornal japonês Asahi Shimbun pediu, nesta quarta-feira (26), o cancelamento do evento e classificou o mesmo como uma "ameaça sanitária", no momento em que o país enfrenta uma quarta onda de contágios da pandemia da Covid-19.

Em um editorial, o jornal, com tendência de esquerda e o segundo em termos de venda no país, pede ao primeiro-ministro Yoshihide Suga que faça uma "avaliação tranquila e objetiva da situação para tomar a decisão de cancelar as Olimpíadas de verão".

O apelo coincide com uma oposição crescente no Japão, onde as pesquisas mostram que a maioria da população rejeita os Jogos. O evento está previsto para acontecer de 23 de julho a 8 de agosto.

- 'Não se pode aceitar a aposta' -
O editorial afirma que "não se pode aceitar a aposta" de celebrar os Jogos, apesar de o comitê organizador afirmar que o evento tem condições de acontecer de maneira segura.

O jornal também acusa os dirigentes do Comitê Olímpico Internacional (COI), em particular seu vice-presidente, John Coates, de estarem "claramente fora de sintonia" com o público japonês.

Questionado na semana passada sobre se os Jogos aconteceriam mesmo sob o estado de emergência pelo coronavírus, Coates declarou: "A resposta é absolutamente sim".

Tóquio e outras regiões do Japão estão atualmente sob estado de emergência, o qual deve ser prolongado esta semana até 20 de junho.

"Dizer 'sim' sem qualquer apoio sólido evidencia a imagem arrogante do COI", destaca o editorial do Asahi.

A advertência do jornal acontece a menos de dois meses da cerimônia de abertura dos Jogos e depois que o governo dos Estados Unidos recomendou a seus cidadãos que não viajem ao Japão pela ameaça do coronavírus.

Na terça-feira (25), porém, a Casa Branca disse apoiar os planos de celebração dos Jogos.

"Há regras de entrada e procedimentos muito específicos que foram definidos pelos organizadores para assegurar a proteção de todos os envolvidos", disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki.  

Cancelar os Jogos custaria ao Japão US$ 20,25 bilhões, informou ontem o Instituto de Pesquisa Nomura.

O instituto advertiu, no entanto, que o país pode sofrer um dano econômico ainda maior, caso celebre os Jogos e o evento provoque um aumento de infecções, que resultariam em um novo estado de emergência.

No domingo (23), Masayoshi Son, CEO do maior grupo de investimento em novas tecnologias do país, o SoftBank, questionou se o COI tem o direito de decidir se os Jogos acontecem, ou não.

Alguns dias antes, o CEO do grupo de comércio eletrônico Rakuten, Hiroshi Mikitani, definiu os Jogos como uma "missão suicida".

Nesta quarta-feira, a presidente do comitê organizador dos Jogos de Tóquio, Seiko Hashimoto, mencionou a "forte" oposição ao evento.

"Um número considerável de japoneses está preocupado", destacou ela, em uma reunião do conselho executivo de Tóquio-2020.

Seiko reafirmou, porém, que o número de estrangeiros será limitado e que todos serão submetidos a restrições durante a viagem ao Japão. Muitas pessoas temem uma pressão adicional ao já abalado sistema médico local.

"Os preparativos avançam bem para que tenhamos Jogos seguros", insistiu.

O Japão registrou um impacto relativamente reduzido da pandemia, com 12.000 mortes, mas um recente aumento das infecções resultou em pressão no sistema hospitalar.

O país iniciou a vacinação de maneira lenta. Apenas 2% dos 125 milhões de habitantes foram completamente imunizados.

Uma exceção será feita com os atletas olímpicos japoneses e alguns membros das comissões técnicas, que serão vacinados, graças às doses oferecidas pela Pfizer.

O Comitê Olímpico Japonês informou que a vacinação começará em 1º de junho para 600 atletas e 1.000 integrantes de comissões técnicas.V
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
ONU pede medidas para frear abusos sexuais nas instituições católicas
Manhã na Clube: entrevistas com Frederico França, Johann Wolfgang Schneider e Marcelle Penha
Diabetes: saiba como evitar e controlar antes que seja tarde
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco