Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CUBA

Presidente cubano chama relatório dos EUA de indigno, imoral e mentiroso

Por: AFP

Publicado em: 01/04/2021 15:45

Documento emitido pelos Estados Unidos denuncia a falta de eleições livres e casos de tortura na ilha (Andrew Harnik/AFP)
Documento emitido pelos Estados Unidos denuncia a falta de eleições livres e casos de tortura na ilha (Andrew Harnik/AFP)
O presidente de Cuba Miguel Díaz-Canel rejeitou nesta quinta-feira (1º/4) a "indigna, imoral e mentirosa acusação do Departamento de Estado", que em seu relatório anual denuncia a falta de eleições livres e casos de tortura na ilha.
 
"Eles recorrem à infame retórica de sempre para caluniar uma ilha heroica que sofre um bloqueio criminoso imposto pelo governo dos EUA, causando enorme prejuízo ao povo cubano", afirmou Díaz-Canel, em uma mensagem publicada no Twitter em espanhol e inglês.

Em seu relatório anual sobre os direitos humanos, publicado na terça-feira, o Departamento de Estado americano lamentou as contínuas "restrições" à liberdade de expressão em Cuba, e afirmou que neste Estado "autoritário" há denúncias de execuções extrajudiciais, desaparecimentos forçados e casos de tortura.

O ministro cubano das Relações Exteriores, Bruno Rodríguez, chamou o relatório de "enganoso e politizado", lembrando os "indicadores de justiça social, respeito e proteção aos direitos humanos" de sua população, dos quais Cuba, sob o embargo dos Estados Unidos desde 1962, se orgulha.

"Se o governo dos EUA tivesse interesse em defender os direitos humanos em Cuba, encerraria o bloqueio e as mais de 240 medidas de (Donald) Trump que ameaçam o bem-estar e o sustento de 11 milhões de cubanos", acrescentou Rodríguez, que escreveu seu texto nos dois idiomas.
 
Com a chegada de Trump à Casa Branca em 2017, Washington reforçou o embargo, alegando violações dos direitos humanos em Cuba e o apoio de Havana ao governo socialista de Nicolás Maduro na Venezuela.

A esperança de que as tensões se aliviariam com a eleição de Joe Biden desapareceram à medida que a ilha não parece ser uma questão prioritária para o novo governo americano.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco