Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

ECONOMIA

Merkel quer voltar à ortodoxia fiscal após a pandemia

Por: AFP

Publicado em: 22/04/2021 16:55

 (Este mecanismo proíbe, em tempos normais, o governo de ter um déficit anual maior que 0,35% de seu PIB. Foto: CHRISTOPHE SIMON / POOL / AFP)
Este mecanismo proíbe, em tempos normais, o governo de ter um déficit anual maior que 0,35% de seu PIB. Foto: CHRISTOPHE SIMON / POOL / AFP
A chanceler alemã Angela Merkel defendeu nesta quinta-feira (22) manter na Constituição de seu país o mecanismo existente de limitação estrita de déficits orçamentários, suspenso durante a pandemia e que alguns querem eliminar definitivamente.

"Mesmo que as consideráveis ajudas públicas sejam importantes durante a situação excepcional" da pandemia de Covid-19, "há boas razões para que o dispositivo de freio ao endividamento conserve seu lugar na Constituição", declarou a chanceler em um discurso aos empresários.

Este mecanismo proíbe, em tempos normais, o governo de ter um déficit anual maior que 0,35% de seu PIB, contra um limite muito maior estabelecido por exemplo pela União Europeia, a um nível de 3% do PIB.

Esse "freio" foi levantado durante a pandemia e a Alemanha vai registrar um déficit superior a esse limite neste ano e no próximo.

Várias vozes, principalmente de esquerda, mas também no próprio campo conservador de Merkel, defendem suspender esta restrição, que impõe uma ortodoxia orçamentária.
TAGS: merkel | alemanha | economia |
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: dicas para destravar sua criatividade e ampliar a percepção
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 10/05
Gil do Vigor é recebido com festa da população e honraria em Paulista
Imunização para gestantes começa a ser liberada, mas ainda gera dúvidas
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco