Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

HIGIENE PESSOAL

Empresa é criticada por criar luvas rosa para descarte 'discreto' de absorventes

Publicado em: 19/04/2021 17:40

 (O produto alemão que ajudaria no descarte discreto de absorventes íntimos foi considerado desnecessário, poluente e até sexista. Foto: Reprodução/Twitter)
O produto alemão que ajudaria no descarte discreto de absorventes íntimos foi considerado desnecessário, poluente e até sexista. Foto: Reprodução/Twitter
Criada por Andre Ritterswuerden e Eugen Raimkulow, a Pinky Gloves é uma empresa alemã que produz uma luva rosa que tem como objetivo o descarte "discreto" de absorventes de menstruação. A ideia recebeu inúmeras críticas nas redes sociais após ser apresentada em um programa de televisão para obter investimento. O negócio chegou a receber o apoio do empresário Ralf Dümmel, que decidiu investir 30 mil euros no produto depois de assistir a apresentação do negócio.

Porém, após ser questionada publicamente, a empresa decidiu retirar as luvas de plástico do mercado e interromper todas as atividades de compras e vendas.

O produto foi considerado desnecessário, prejudicial ao meio ambiente e até sexista, pois ajudava na estigmatização das pessoas que menstruam e reforçam estereótipos sobre a menstruação. Além disso, muitos criticavam o fato do produto ser desenvolvido por homens.

No Twitter, a autora e ginecologista Jennifer Gunter comentou: "Então, esses caras criaram luvas cor-de-rosa para que os absorventes internos possam ser descartados de maneira adequada e discreta". Ela acrescentou em outra postagem que “todos os dias há outro produto inútil para a vagina”.




O aplicativo Clue, que ajuda a rastrear e determinar os períodos menstruais, afirmou que não há nada anti-higiênico no sangue menstrual. No Instagram, a escritora Franka Frei pediu o fim da estigmatização da menstruação e a mudança de mentalidade sobre o caso.




Criadores admitem erros
Andre e Eugen pediram desculpas a todos que se sentiram ofendidos e afirmaram entender o motivo disso. Os empreendedores admitiram o erro e que não trataram o assunto da maneira correta.

Os criadores acreditam que um debate importante foi iniciado através dos problemas do produto. Porém, relataram abusos e ações violentas de ódio. Segundo eles, as críticas foram compreendidas e pediram para que os ataques terminem.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: dicas para destravar sua criatividade e ampliar a percepção
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 10/05
Gil do Vigor é recebido com festa da população e honraria em Paulista
Imunização para gestantes começa a ser liberada, mas ainda gera dúvidas
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco