Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

PLANO

Biden quer vacinar todos os adultos dos EUA até 19 de abril

Publicado em: 07/04/2021 08:51

 (Foto: Brendan Smialowski/AFP)
Foto: Brendan Smialowski/AFP
Os Estados Unidos anteciparam em duas semanas o prazo para que todos os 200 milhões de adultos residentes no pais sejam imunizados contra a Covid-19. A previsão é de que a vacina esteja disponível para essa parcela da população até 19 de abril. De acordo com o Centro para Prevenção e Controle de Doenças (CDC), 107.609.937 cidadãos dos EUA maiores de 18 anos tinham recebido pelo menos uma dose do imunizante até as 20h de ontem (19h em Brasília) — o equivalente a 41,7% da população dessa faixa etária. As duas doses tinham sido administradas em 62.885.968 adultos (24,4%).

Entre os idosos, os números são ainda mais impressionantes: 41.537.908 (75,9%) tomaram ao menos uma dose. Das 219.194.215 vacinas encomendadas pela Casa Branca, 168.592.075 haviam sido aplicadas. Em discurso na Casa Branca, o presidente Joe Biden anunciou a nova meta de imunização e aconselhou os cidadãos a se manterem “em pé de guerra” com o Sars-CoV-2.

“Nós sabemos o que temos que fazer. Temos que desenvolver uma abordagem governamental que reúna todo o país e nos coloque em pé de guerra, para realmente derrotarmos este vírus. E é isso que temos feito. (...) Agora, estamos administrando uma média de 3 milhões de injeções por dia, mais de 20 milhões de injeções por semana”, declarou o democrata. Biden frisou que “ainda estamos em uma corrida de vida ou morte contra o vírus”.

Antes do pronunciamento, o presidente visitou um centro de vacinação instalado no Seminário Teológico da Virgínia, na cidade de Alexandria. Conversou com médicos e com pessoas que aguardavam na fila de imunização. “Acredito que, até o fim do verão, teremos uma parcela significativa da população americana vacinada. Logo, quando tivermos (imunização) suficiente, poderemos distribuí-las (vacinas) para o resto do mundo. Você não pode construir um muro ou uma cerca alta o bastante para manter um vírus afastado”, disse Biden.

Lawrence Gostin, professor de medicina da Universidade Johns Hopkins e da Universidade Georgetown e especialista em direito de saude pública, admitiu ao Correio que o anúncio de Biden é “enormemente simbólico”. “Isso aumentará a confiança e o otimismo para um rápido retorno à vida normal”, avaliou. No entanto o estudioso vê gargalos na imunização em alguns estados. “Ter doses suficientes não é o objetivo final. O que devemos alcançar é a cobertura vacinal universal. Existem muitas pessoas nos EUA que confiam pouco nas vacinas. Elas mostram-se hesitantes e não aceitarão a imunização. O objetivo verdadeiro é aplicar as doses nos braços de todos”, comentou.

Para Gostin, se Biden for bem-sucedido, a campanha de vacinação representará uma das maiores conquistas de saúde pública em décadas. “Isso fará com que os EUA voltem rapidamente ao normal e proporcionará um grande impulso à economia norte-americana”, previu. Até o fechamento desta edição, os EUA registravam 30.841.045 casos e 556.428 mortes.

Natural de Belém (PA), Daniel Prado, 18 anos, mora em Tuscaloosa (Alabama), onde estuda engenharia aeroespacial na Universidade do Alabama. Ele contou ao Correio que conseguiu tomar a primeira dose da vacina da Moderna na semana passada. A próxima deverá ser administrada até o fim deste mês. “Enquanto me sinto extremamente aliviado e mais confiante em relação às instituições dos Estados Unidos, ainda é bastante angustiante quando entro em contato com amigos e familiares no Brasil, pois não há uma previsão sobre quando poderão receber o imunizante”, afirmou. “Meu sentimento é de injustiça, ao saber que existem milheres de brasileiros em condições críticas que necessitam da vacina. Enquanto aqui, alunos completamente saudáveis são imunizados e recebem amplo encorajamento das universidade.”

A Casa Branca descartou a imposição de qualquer forma de passaporte sanitário de vacinação contra o coronavírus nos Estados Unidos, mas disse que as empresas privadas são livres para explorar a ideia. “O governo não apoia nem apoiará agora um sistema que exige que os americanos carreguem uma credencial. Não haverá banco de dados federal de vacinas ou ordem federal que exija que todos obtenham uma única credencial de vacinação”, disse a jornalistas a secretária de imprensa, Jen Psaki. Os chamados passaportes de vacinação, que comprovam imunização contra a Covid-19, têm sido apresentados em todo o mundo como uma ferramenta potencialmente poderosa para reabrir países com segurança para reuniões em massa e viagens.

Protesto contra restrições em Roma
Comerciantes, vendedores ambulantes e proprietários de restaurantes entraram em choque, ontem, com policiais antidistúrbios durante protesto do lado de fora do parlamento, na Piazza Montecitório, em Roma. Aos gritos de “liberdade”, os manifestantes pularam a cerca de isolamento e lançaram garrafas contra a polícia, que reagiu com bombas de gás lacrimogêneo. Eles prometeram reabrir os estabelecimentos hoje, apesar das restrições sociais impostas pelo governo, por entenderem tratar-se de “questão de sobrevivência”.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Metade da população adulta nos EUA já tomou ao menos uma dose de vacina contra Covid
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 19/04
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Resumo da semana: STF mantém anulações de sentenças contra Lula, mais jovens em UTIs e CPI da Covid
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco