Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Mundo

CUBA

Cuba fabrica o próprio material médico contra a Covid

Publicado em: 31/03/2021 21:05

 (Foto: Aeropuerto Tocumen / AFP)
Foto: Aeropuerto Tocumen / AFP
Respiradores, swabs e reagentes para testes de PCR: Cuba teve que fabricar seu próprio material para enfrentar o coronavírus, contornar o embargo norte-americano e "economizar milhões de dólares" em importações, explicaram cientistas da ilha nesta quarta-feira (31).

"A soberania tecnológica é extremamente importante na luta contra a Covid", disse José Luis Fernández Yero, diretor do centro cubano de exames imunológicos.

O embargo norte-americano, estabelecido em 1962, que visa produzir uma mudança de regime em Cuba, permite desde 1992 o envio de remédios e suprimentos médicos para a ilha, desde que seja para o benefício exclusivo da população.

Na realidade, os bancos e outros intermediários relutam em acompanhar essas operações, mesmo de países que não os Estados Unidos, por medo das sanções americanas.

%u201CHá mais de 25 anos, Cuba trabalha no desenvolvimento de equipamentos médicos%u201D, disse Fernández. Mas, diante de uma nova doença, surgiram novas necessidades.

Para os testes de PCR, Cuba também fabricou %u201Cos swabs que servem para coletar a amostra, o que a instituição não fazia em absoluto antes do início da covid, que o país tinha que importar grandes quantidades%u201D.

Cuba também teve que criar a "solução usada para transportar a amostra" e um "reagente" para determinar se é positiva ou negativa.

O objetivo era %u201Calcançar a soberania tecnológica desde a coleta da amostra até a interpretação final dos resultados%u201D, afirmou.

Cientistas cubanos também projetaram quatro modelos de respiradores artificiais.

Graças a esse esforço, %u201Cnosso país está economizando e muitos milhões de dólares ainda serão economizados%u201D nas importações, acrescentou Eduardo Martínez, presidente do grupo farmacêutico estatal BioCubaFarma.

O país, que fez da saúde e da educação os pilares de seu sistema socialista, tem duas vacinas candidatas, Soberana 2 e Abdala, na terceira e última fase de testes clínicos, antes de serem aprovadas.

Nesta quarta-feira, a primeira das duas doses de Soberana 2 foi distribuída para 44.000 voluntários em Havana.

%u201CNo mês de junho, (espera-se) poder ter os resultados da eficácia da vacina, que esperamos que seja alta%u201D, indicou Martínez, porque %u201Cum percentual muito alto de pacientes%u201D vacinados na fase 2 desenvolveram anticorpos contra a doença.

As autoridades, que planejam iniciar a campanha de vacinação em junho, pretendem imunizar toda a população ainda este ano.

Cuba enfrenta atualmente a terceira onda da pandemia, mas continua sendo uma das nações menos afetadas do continente americano, com 75.263 casos de contágio e 424 mortes em uma população de 11,2 milhões de habitantes.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco